quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

CICLO TRIENAL - SEDRAH 146 (Semana de 19 a 25 de janeiro/2014)

(Shabat Shalom)
Torah: Devarim/Deuteronômio 32:1 - 52
Tema: Mosheh sobe ao Monte Nebo
Haftarah: Shoftim/Juízes 5; Yeshaiyahu/Isaias 14 e 38
Tema(s): O cântico de D'vorah/Débora; Restauração de Yisra'El; Ezequias Adoece
Haftarah (complemento): Ester 6 e 7
Tema(s): Mordechai/Mardoqueu é honrado; Haman/Hamã é enforcado
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 146
Tema: A fraqueza do homem e a fidelidade de Elohim

TORAH
Devarim/Deuteronômio 32:
1“Inclinai vossos ouvidos, ó céus, e eu falarei; ouça, ó terra, as palavras da minha boca. 2Que o meu ensinamento goteje como a chuva e as minhas palavras destilem como brando orvalho, como chuva suave sobre a relva que viceja, como garoa revigorante para as plantas verdejantes. 3Eu vou proclamar o Nome de YHWH; quanto a vós, glorificai a grandeza do nosso Elohim 4Ele é a nossa Rocha, suas obras são todas perfeitas, e seus caminhos todos, justos. Elohim é fiel, e jamais comete erros. Elohim é bom, sábio e justo! 5Contudo, seus filhos se entregaram ao pecado; deixando de agir como filhos, tornaram-se manchas, marcas de uma geração perversa e corrupta. 6É assim que retribuis ao Eterno, povo insensato e ignorante? Em verdade Ele é teu Pai, o teu Criador, que te remiu e te estabeleceu! 7Recorda os dias que se foram, traz à tua memória a história das sucessivas gerações; indaga a teu pai e ele te informará, aos teus anciãos e líderes, e eles te esclarecerão. 8Quando o Altíssimo separou os povos e deu a cada nação as suas terras em herança, quando separava os filhos dos homens uns dos outros, fixou os limites dos povos, segundo o número dos filhos de Elohim! 9Mas o povo preferido do SENHOR é Yisra'El/Israel: Yaa'kov/Jacó e a descendência que lhe coube. 10Elohim o encontrou perdido numa terra deserta e inóspita, numa região onde viviam animais ferozes. Achegou-se a Israel e dele cuidou, protegeu-o como a pupila dos seus olhos. 11Como a águia que desperta sua ninhada paira sobre seus filhotes, e em seguida estende as asas para apanhá-los, carregando-os sobre elas, 12o Eterno sozinho o levou; nenhuma divindade estrangeira o ajudou! 13Ele o fez cavalgar sobre os lugares altos da terra e o alimentou com o fruto dos campos. Ele o nutriu com o mel tirado dentre as rochas, e fez que as oliveiras produzissem bom azeite mesmo em terreno pedregoso, 14com coalhada e leite do gado e do rebanho, e com cordeiros e bodes cevados; com os melhores carneiros de Bashan/Basã e com as mais excelentes sementes de trigo, bebeste o sangue das uvas, o mosto do vinho. 15Entretanto, Ieshurun, Israel, meu amado, fortalecendo-te desferiste coices; ficaste robusto e corpulento, te tornaste gordo, muito pesado e farto de comida. Desprezaste a Elohim, que o fez e rejeitaste a Rocha, que é o teu Salvador! 16Com seus deuses estranhos provocaram ciúmes em Elohim, com seus ídolos abomináveis o deixaram irado. 17Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Elohim; a seres que não têm o poder de Elohim, a deuses desconhecidos, divindades que surgiram recentemente, às quais jamais vossos antepassados prestaram adoração. 18Abandonaste a Rocha que te gerou; e te esqueceste do Elohim que te deu a vida e te fez nascer. 19O SENHOR contemplou tudo isso e também os desprezou, por causa da abominável provocação de seus filhos e suas filhas; 20e afirmou: ‘Esconderei deles o rosto, e observarei o fim que terão; porquanto são geração perversa, filhos infiéis! 21A zelos me provocaram por meio de deuses inexistentes, com ídolos e imagens me irritaram; Eu também farei que sofram ciúmes de quem não é meu povo, nem mesmo nação é; com uma multidão de pessoas insensatas Eu os provocarei à ira! 22Porquanto um grande fogo foi aceso pela minha ira, labaredas que queimarão até as profundezas do Sheol, Abismo dos mortos. 23Amontoarei desgraças sobre eles; as minhas setas esgotarei contra eles. 24Consumidos serão pela fome, devorados pela febre e peste violenta; e contra eles ainda enviarei dentes de feras e veneno de víboras que se arrastam pelo pó da terra. 25Pelas ruas a espada os deixará sem filhos; em suas casas reinará o terror. Morrerão moços e moças, crianças e homens já grisalhos. 26Eu declarei que os espalharia pela terra e que apagaria da humanidade a lembrança deles. 27Contudo, tive cuidado em relação à jactância dos teus inimigos que zombando e mentindo poderiam alegar ao mundo: ‘A nossa mão poderosa venceu Israel diante da inércia de Elohim!’ 28Porque o meu povo é gente sem juízo e sem entendimento. 29Quem dera fossem sábios e perspicazes; então discerniriam qual será seu fim! 30Como poderia um só homem perseguir mil, ou dois fazerem fugir dez mil, a não ser que a sua Rocha os tivesse vencido, a menos que o SENHOR os tivesse abandonado? 31Porquanto a rocha deles não é como a nossa Rocha; e os próprios inimigos afirmam essa verdade. 32Porque sua vinha é da lavoura de Sodoma e dos campos de Gomorra; suas parreiras dão uvas contaminadas de veneno, e seus cachos, de amargura. 33O vinho deles arde como a peçonha mortal das serpentes; como o veneno dos répteis mais terríveis. 34‘Acaso não guardei isso em sigilo? Não o selei em meio aos meus tesouros mais secretos? 35A mim pertence a vingança e todo tipo de pagamento! No tempo certo os pés dessa gente começarão a escorregar, o dia da sua desgraça aproxima-se célere, e seu próprio destino se apressa sobre eles.’ 36YHWH julgará seu povo e terá compaixão dos seus servos, quando observar que o poder deles se esboroou e os homens livres e escravos desfizeram-se em pó. 37Então bradará o SENHOR: ‘Agora! Onde estão os seus elohim, a rocha em quem depositaram sua confiança e buscaram refúgio? 38Os deuses que se alimentavam da gordura dos sacrifícios e bebiam o vinho das suas libações? Que se ponham de pé neste momento e vos proporcionem algum socorro! Que eles vos consigam um abrigo, alguma proteção! 39Vede, agora, que Eu Sou o único, Eu somente, e mais nenhum elohim além de mim. Faço morrer e faço viver, faço adoecer e faço sarar, e ninguém há que seja capaz de livrar-se da minha mão40Levanto minha mão para os céus e proclamo: Juro pelo meu próprio Nome que, 41quando eu afiar a minha espada refulgente e a minha mão empunhá-la para exercer juízo, Eu me vingarei de todos os meus inimigos e retribuirei àqueles que me odeiam! 42Embeberei as minhas setas de sangue, ao mesmo tempo em que minha espada ceifar e devorar carne humana: o sangue dos mortos e dos prisioneiros; as cabeças dos líderes adversários’. 43Exultai! Cantai de alegria, ó nações, com o povo dele, e todos os anjos o adorem, porquanto o SENHOR vingará o sangue dos seus servos, tomará vingança dos seus inimigos e fará expiação pela terra do seu povo!” 44Então, Moisés veio com Yehoshua/Josué, filho de Num, e recitou com grande voz as palavras dessa composição poética aos ouvidos do povo. 45Quando Mosheh terminou de proclamar todas essas palavras diante da congregação de Israel, 46ainda declarou: ‘Guardai no coração todas as orientações que hoje vos transmiti solenemente, para que ordeneis a vossos filhos que obedeçam fielmente a todas as palavras desta Torá, Lei. 47Porque esta Palavra não é para vós outros coisa vã; antes, é a vossa vida; e, por essa mesma Palavra, prolongareis os vossos dias sobre o solo do qual ides tomar posse em breve, assim que atravessardes o Yarden/Jordão!” 48Naquele mesmo dia YHWH falou a Mosheh: 49“Sobe a esta montanha de Abarim, até o monte Nebo, em Moabe, em frente a Yerichó/Jericó, e contempla Kena'an/Canaã, a terra que concedo aos filhos de Israel como propriedade! 50Ali, na montanha que tiveres subido, morrerás e vais reunir-te aos teus antepassados, assim como teu irmão Aharon/Arão que faleceu no monte Hor e foi reunido a seu povo. 51Assim há de ser, pois fostes, os dois, infiéis a mim no meio da congregação israelita, junto às águas de Meribá, em Cades, no deserto de Zim, e porque não sustentastes a minha santidade entre os filhos de Israel. 52Por esse motivo contemplarás a terra prometida à tua frente, mas não poderás entrar nela, na terra que estou dando aos filhos de Israel!”

HAFTARAH
Shoftim/Juízes 5:
1Naquele dia D'vorah/Débora e Baraque, filho de Abinoão, cantaram as palavras desta poesia: 2“Os chefes de Israel consagraram-se para a grande batalha. De boa vontade todo o povo se apresentou para lutar. Louvai a YHWH, o SENHOR! 3Ó reis, ouvi! Ó príncipes, escutai! A YHWH celebrarei, e sobre YHWH comporei e cantarei.YHWH, o Elohim de Israel. 4Ó SENHOR quando saíste de Seir, quando marchaste desde os campos de Edom, a terra estremeceu, os céus se esvaíram em gotas, e as nuvens desfizeram-se em chuva. 5As montanhas tremeram diante do SENHOR, o Elohim do Sinai, perante YHWH o Elohim de Israel. 6Nos dias de Sangar, filho de Anate, nos dias de Yahel/Jael, os caminhos retos estavam desertos, e os viajantes usavam atalhos tortuosos. 7Os guerreiros de Israel haviam desaparecido, já tinham desistido de lutar, até que te levantaste, ó D'vorah/Débora; até que levantaste para ser mãe de Israel! 8No dia em que escolheram-se novos elohim, eis que a guerra chegara às portas, e não se podia ver um só escudo ou lança entre os quarenta mil homens de Israel. 9Ora, o meu coração está com os comandantes de Israel, com os voluntários dentre o povo. Louvai ao SENHOR! 10Vós que cavalgais sobre alvos jumentos, que se assentam sobre ricas selas, que percorrem livremente pelas estradas, considerai! 11Escutai! É uma multidão que grita mais alto do que os distribuidores de água junto aos bebedouros, declarai todos os atos do SENHOR: justos feitos em favor dos cidadãos de Israel! Então o povo do SENHOR pode descer para as suas cidades. 12‘Desperta, Débora, desperta! Acorda, entoa um cântico; levanta-te, Baraque, e leva presos os que te prenderam, tu, filho de Abinoão!’ 13Então, os nobres de fé desceram às portas onde estavam os seus chefes, e o povo de Elohim, o SENHOR, pronto para lutar, cooperou com Baraque contra a tirania dos poderosos! 14De Efraim, cujas raízes estão na antiga região de Amalek/Amaleque, desceram guerreiros; depois de ti, ó Débora, seguiu Benjamim com seus povos. De Maquir desceram comandantes, e de Zevulun/Zebulom, os que conduzem o bastão de comando. 15Os príncipes de Issacar estavam com Débora; sim Yissachar/Issacar também estava com Baraque. Eles o seguiram rapidamente até o vale. Entretanto, a tribo de Reuven/Rúben estava dividida; houve grande discussão e conjecturas, e não foram. 16Por que te sentaste, ó Rúben, junto às fronteiras? Acaso é para ouvires os que apitam, chamando os rebanhos? Por isso, pela separação de Rúben, que não se aliou aos nobres guerreiros, grandes conjecturas hão de ser levantadas. 17Se é porque Rúben estava distante do local da guerra, Guilad/Gileade também ficava na banda além do Yarden/Jordão! E Dan/Dã, por qual motivo não veio se aliar a nós? Acaso é porque vive junto aos navios? Asher/Aser teve razão em não vir, afinal mora no litoral e habita em cidades não muradas. 18O povo de Zebulom arriscou a própria vida ao vir juntar-se a nós, assim como Naftali nas batalhas dos altos campos da região. 19Os reis vieram e combateram, os reis de Canaã guerrearam em Taanaque, junto às águas de Megido, contudo não conseguiram levar prata alguma, despojo nenhum! 20Até mesmo as estrelas lutaram! Deixaram as suas órbitas para pelejarem contra Sísera. 21O rio Quisom os levou, o antigo rio, o rio Quisom. Avante minha alma! Marcha com ousadia e determinação. Sê forte! 22Os cascos dos cavalos em seu galope faziam tremer a terra; galopavam, galopavam os seus corcéis. 23‘Maldito seja Meroz, diz o Anjo do SENHOR, amaldiçoai, amaldiçoai os seus habitantes: porquanto não vieram cooperar com YHWH, pelejar junto ao SENHOR contra os poderosos! 24Que Yahel/Jael seja bendita entre todas as mulheres, Jael, esposa de Héber, o queneu. Seja ela a mais feliz das mulheres que vivem em tendas! 25Sísera pediu-lhe água: leite ela lhe trouxe, numa taça digna dos príncipes serviu-lhe coalhada. 26Ela estendeu a mão para apanhar a estaca da tenda, com a mão direita alcançou a marreta dos trabalhadores. Então golpeou Sísera, esmagando-lhe a cabeça, esmigalhou e traspassou suas têmporas. 27Aos seus pés ele se curvou, desabou e ali ficou prostrado. Onde caiu, ali mesmo ficou, sem vida. 28À janela a mãe de Sísera se debruçava a contemplava o horizonte, atrás da grade ela queixava-se: “Por que tarda o seu carro tanto a chegar? Por que estão lentos os seus cavalos?” 29As mais sábias de suas damas de companhia davam-lhe palavras de conforto, e ela repetia para si mesma: 30“Eles devem estar repartindo os despojos: uma moça, duas moças para cada guerreiro! Finos tecidos bordados e roupas coloridas para Sísera, um enfeite, dois enfeites para o meu pescoço!” 31Assim perecem todos os teus inimigos, ó YHWH! Mas todos que te amam brilhem como o sol quando se levanta na sua força!” E a terra experimentou paz e descanso durante quarenta anos.

Yeshaiyahu/Isaias 14:
1Com certeza YHWH demonstrará sua compaixão para com Ya'akov/Jacó; ele tornará a escolher Yisra'El/srael e estabelecerá seu povo em seu próprio território. Os estrangeiros se unirão a eles e farão parte da descendência de Jacó. 2Pessoas de várias nacionalidades irão com os israelitas para o seu território, a terra de YHWH. E a descendência de Israel possuirá os povos como servos e servas na terra do SENHOR. Farão escravos aqueles que antigamente eram seus donos, e dominarão sobre aqueles que antes foram seus opressores. 3E sucederá, no dia em que YHWH te der descanso do teu sofrimento, da tua tribulação e da dura servidão a que foste sujeitado, 4que zombarás do rei de Bavel/Babilônia entoando esta sátira: Como terminou a tua arrogância? Que fim levou o opressor? 5YHWH arrebentou a vara dos ímpios, o cetro dos governantes, 6que irados feriram os povos com golpes intermináveis, e enfurecidos subjugaram as nações com perseguição implacável. 7O mundo inteiro descansa, está tranquilo; todos irrompem em gritos de celebração. 8Até os ciprestes e os cedros do Líbano alegraram-se por sua causa e exclamam: “Agora que fostes derrubado do poder, nenhum lenhador sobe até aqui para pôr-nos abaixo!” 9Nas profundezas, o Sheol, o mundo dos mortos, está todo agitado para recebê-lo quando chegares. Por tua causa o além desperta os espíritos dos mortos, todos os príncipes e governantes da terra. E faz levantar dos seus tronos a todos os reis das nações. 10Todos eles se interpelam e o questionam: “Então, também tu foste abatido como nós e acabaste na mesma condição que estamos?” 11A tua soberba foi lançada também no Sheol, na sepultura, junto com o som de glória das tuas harpas. Eis que agora tua cama é feita de larvas, e tua coberta de vermes. 12Como foi que caíste dos céus, ó estrela da manhã, filho d’alva, da alvorada? Como foste atirado à terra, tu que derrubavas todas as nações? 13Afinal, tu costumavas declarar em teu coração: “Hei de subir até aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Elohim; eu me estabelecerei na montanha da Assembleia, no ponto mais elevado de Zafon, o alto do norte, o monte santo. 14Subirei mais alto que as mais altas nuvens; tornar-me-ei semelhante ao Altíssimo!” 15Contudo, às profundezas do Sheol, da morte, foste precipitado; lançado foste no fundo do abismo! 16Os que te veem fitam os olhos em ti e te observam com toda atenção, indagando: “Porventura é este homem que fazia tremer a terra inteira, que abalava reinos? 17Que reduziu o mundo a um deserto, arrasou as suas cidades e nunca permitiu que retornassem para a sua pátria os seus prisioneiros? 18Ora, todos os reis das nações descansam com honra, cada um no seu próprio túmulo. 19Tu, no entanto, foste atirado fora da tua sepultura, como um galho rejeitado; como as roupas dos mortos que foram feridos à espada; como os que descem às pedras da cova; como um cadáver pisoteado, 20Tu não te reunirás àqueles na sepultura, pois destruíste a tua própria terra e fizeste perecer o teu povo. Portanto, nunca mais se mencione essa descendência de malfeitores! 21Preparai um local adequado para matar os filhos dele por causa da malignidade dos seus antepassados; para que eles jamais se levantem a fim de reivindicar qualquer herança sobre a terra e cobri-la de cidades. 22“Levantar-me-ei contra eles!”, oráculo de YHWH, Adonay Tsevaot/SENHOR dos Exércitos, e extirparei da Babilônia o seu nome e os seus sobreviventes, sua prole e toda a sua descendência!”, diz o Eterno. 23“Farei dela uma morada de corujas e uma terra pantanosa; hei de varrê-la com a vassoura do extermínio!”, oráculo de YHWH dos Exércitos. 24YHWH dos Exércitos jurou, declarando: “Em verdade, tudo quanto projetei se cumprirá, aquilo que decidi se realizará. 25Esmagarei a Assíria na minha terra; nos meus montes a pisotearei. O seu jugo será tirado do meu povo, e o seu fardo, das costas dele!” 26Este é o projeto estabelecido para a terra inteira; e esta é a mão erguida contra todas as nações.27Porquanto este é o propósito de YHWH dos Exércitos; quem pode impedi-lo? Sua mão já está estendida; quem poderá fazê-la recuar? 28No ano em que morreu o rei Acaz, foi recebido este oráculo, esta advertência: 29Não te alegres, ó Filisteia toda, por ter sido quebrada a vara do castigo que te feria! Porquanto, da raiz da cobra brotará uma víbora, e o seu fruto será uma serpente veloz. 30Os primogênitos dos mais fracos e humildes terão pastagem, os indigentes repousarão em segurança, mas farei perecer pela fome a tua raiz, e ela tirará a vida dos teus sobreviventes. 31Lamenta, ó porta! Grita, ó cidade! Derretei todos vós filisteus! Do Norte vem um grande exército, e nenhum dos guerreiros desertou de suas fileiras. 32Que resposta se dará aos mensageiros de guerra daquela nação? Ora, esta: “Eis que YHWH fundou e estabeleceu Tsión, Sião e nela encontrarão refúgio todos os atribulados do seu povo!”

Yeshaiyahu/Isaias 38:
1Por aquele tempo Ezequias ficou muito enfermo, à beira da morte. O profeta Isaías, filho de Amoz, foi visitá-lo e lhe declarou: “Assim diz Yahweh, o SENHOR: ‘Põe em ordem a tua casa, porquanto vais morrer; não te recuperarás desta doença!” 2Então Ezequias virou o rosto para a parede e clamou a YHWH: 3“Ó SENHOR, lembra-te de que tenho andado na tua presença e de como tenho te servido com fidelidade, integridade de coração e sincera devoção. E tenho realizado tudo quanto é agradável aos teus olhos!” E Ezequias chorou com grande pesar. 4Contudo, veio a Palavra do SENHOR ao profeta Isaías: 5“Vai e comunica a Ezequias: ‘Eis a palavra de YHWH, o Elohim de teu antepassado David: Ouvi, pois, a tua oração e observei teu lamento e tuas lágrimas; acrescentarei quinze anos à sua vida. 6E mais, Eu livrarei a ti e esta cidade das mãos do rei da Assíria. Eu assegurarei a proteção desta cidade. 7Este é o sinal de que Yahweh fará o que empenhou sua palavra: 8Farei a sombra do sol retroceder os dez graus que ela já cobriu na escadaria de Acaz!” E a luz do sol, de fato, voltou os dez graus que tinha avançado sobre os degraus. 9Logo depois de recuperar-se de sua enfermidade, Ezequias, rei de Judá, escreveu a seguinte manifestação de louvor a Deus: 10“Disse eu no meu íntimo: ‘Em pleno vigor da minha vida tenho que passar pelas portas doSheol, sepultura, e ser excluído do restante dos meus anos de vida? 11Então pensei: Ora, não voltarei a contemplar Yahweh agindo sobre a terra dos viventes; não observarei mais a humanidade, nem caminharei mais na companhia dos que agora habitam neste mundo. 12A minha casa foi derrubada e roubada de mim, como se fosse uma tenda de pastor. A minha vida se transformou em um novelo de lã, como faz o tecelão, e ele mesmo me cortou como um pedaço de tecido; durante dias e noites foi consumindo a minha vida. 13Contudo, aguardei pacientemente por um novo amanhecer, mas como um leão feroz ele quebrou todos os meus ossos; dia e noite foi acabando comigo. 14Eu gritava como a andorinha ou o tordo salpicado; e gemia como uma pomba chorosa. Contemplando os céus, os meus ossos foram enfraquecendo a cada dia. Ó Eterno, estou em grande angústia! Vem, por favor, em meu socorro! 15Entretanto, que falarei? Que hei de dizer-lhe? Foi ele que o fez. Ele falou comigo! Caminharei humildemente durante todos os anos de vida que me restam, por causa dessa aflição da minha alma. 16Ó Eterno, por causa de todas as tuas obras é que a humanidade vive e por elas também vive o meu espírito. Tu me restauraste a saúde e deixaste-me viver. 17Com isto a minha amargura se transformou em bem-estar. Tu preservaste a minha alma do abismo da destruição. Lançaste atrás de ti todos os meus pecados. 18Em verdade, não é o Sheol, a sepultura, que te louva, nem a morte que te glorifica, pois já não esperam em tua fidelidade aqueles que descem à cova. 19Os vivos, só os vivos é que podem te louvar e cantar como estou fazendo hoje. Os pais contam a tua fidelidade a seus filhos. 20YHWH, o SENHOR, me salvou! Cantaremos este louvor com instrumentos de corda todos os dias de nossa vida no Templo do Eterno!” 21E Isaías ainda informara: “Aplicai um emplastro feito de figos no furúnculo e o enfermo se recuperará!” 22Ezequias havia indagado: “Qual será o sinal de que ainda subirei ao Templo de YHWH?”

HAFTARAH (complemento)
Ester/Ester 6:
1Ora, naquela mesma noite, como não conseguisse dormir, o rei pediu que trouxessem o livro dos Feitos Memoráveis ou Crônicas, e ordenou que as histórias fossem lidas para seu descanso. 2E achou-se nas escrituras que Mordechai/Mardoqueu tinha denunciado Bigtã e Teres, dois dos oficiais do rei, que guardavam a porta e tinham conspirado para tirar a vida de Xerxes. 3E o rei questionou: “Que honra e reconhecimento foram conferidos a Mardoqueu por esse feito?” Os oficiais do rei que o serviam responderam: “Não foi feito nada até hoje.” 4Então o rei indagou: “Quem está no pátio? Ora, esse era exatamente o momento em que Hamã chegava ao vestíbulo, isto é, no pátio exterior do palácio real, a fim de pedir ao rei que autorizasse a execução de Mardoqueu na forca que ele, Haman/Hamã, lhe havia preparado. 5E, rapidamente, os servos do rei lhe informaram: “É Hamã que está no vestíbulo!” Então o rei mandou que o fizessem entrar. 6Assim que Hamã entrou, o rei lhe perguntou: “Caro Hamã, o que se deve fazer a um homem a quem o rei tem alegria de honrar?” Diante dessa questão Hamã pensou consigo mesmo: “Ora, a quem o rei teria tanta satisfação de honrar senão a mim?” 7Por essa razão deu a seguinte resposta ao rei: “Ao homem que o rei tem prazer de honrar, 8caberia bem que se lhe vestissem o manto real que o próprio rei tenha usado em grandes momentos e, inclusive, o cavalo que o rei costuma montar, e que se lhe coloque sobre a cabeça uma réplica da coroa real. 9E mais, que tal ato envolva alguns dos mais ilustres príncipes do rei. Estes nobres cobrirão o homem a quem o rei deseja honrar com o manto real e o conduzirão sobre sua montaria pelas ruas da cidade, proclamando diante dele em alta voz: “Eis como se trata o homem a quem o rei tem a satisfação de homenagear!” 10Ao ouvir essa sugestão, ordenou prontamente o rei a Hamã: “Muito bem! Toma, pois, depressa os trajes e o cavalo, exatamente como disseste, e que se faça assim para com o judeu Mardoqueu, que está sentado à porta do palácio real. E lembra-te: não deixes de realizar absolutamente nada do que disseste!” 11Então Hamã apanhou o cavalo, vestiu Mardoqueu com o manto real e o conduziu sobre o cavalo predileto do rei pelas ruas da cidade, gritando à frente dele: “Eis como se trata o homem a quem o rei tem a satisfação de homenagear!” 12Depois desse evento, Mardoqueu retornou para a porta do palácio real. Mas Hamã apressou-se em voltar para sua casa com a cabeça coberta e muito abatido. 13E Hamã contou tudo o que havia ocorrido a Zeres, sua esposa, e a todos os seus amigos. E tanto seus amigos mais chegados como Zeres, sua esposa, lhe preveniram: “Se este Mardoqueu, diante do qual já começaste a cair, é da linhagem dos judeus, não prevalecerás contra ele, mas com toda a certeza tua ruína está bem próxima!” 14Enquanto estes ainda conversavam, eis que chegaram os oficiais do rei e se apresaram em levar Hamã ao banquete que a rainha Ester havia organizado.

Ester/Ester 7:
1O rei e Haman/Hamã dirigiram-se ao banquete da rainha Ester, 2e neste segundo dia, durante o banquete, o rei novamente perguntou a Ester: “Pede-me o que quiseres, rainha Ester, e te será concedido. Ainda que me peças a metade do reino, tê-la-ás!” 3Então a rainha Ester respondeu: “Se realmente encontrei graça a teus olhos, ó rei, e se for de teu agrado, concede-me a vida, e a vida do meu povo, eis meu desejo e minha súplica. 4Falo deste modo porquanto meu povo e eu fomos sentenciados ao extermínio, à matança e ao aniquilamento. Se somente tivéssemos sido entregues como escravos e servas, eu ter-me-ia mantido em silêncio. No entanto, esta desgraça que se aproxima não irá compensar o prejuízo que dela resultará para o rei!” 5Diante dessas palavras, o rei Xerxes indagou à rainha Ester: “Quem é esse que ousa pensar em praticar ato de tamanha abominação? E onde se encontra esse coração perverso?”6Respondeu Ester: “O adversário e inimigo é Hamã!” Então Hamã ficou aterrorizado diante do rei e da rainha. 7O rei, num arroubo de ódio, levantou-se abruptamente do banquete, abandonou o vinho que bebia e caminhou apressadamente para o jardim do palácio. Hamã notou claramente que o rei já havia determinado a sua sumária execução e por isso ficou para implorar por sua vida à rainha Ester. 8Entretanto, ao voltar o rei do jardim do palácio ao salão onde se realizava o banquete, viu Hamã debruçado sobre o divã em que se achava Ester. E então exclamou: “Seria tu néscio a ponto de tentar violentar a rainha da Pérsia na minha presença e dentro da minha própria casa?” Assim que o rei acabou de pronunciar estas palavras, cobriram o rosto de Hamã. 9Neste mesmo momento, Harbona, um dos eunucos oficiais que serviam diante do rei, mencionou ao rei: “Há uma forca de mais de vinte metros de altura bem próximo à casa de Hamã, que ele próprio construiu para enforcar Mardoqueu, aquele que intercedeu pela vida do rei!” Então o rei ordenou: “Portanto, enforcai-o nela agora mesmo!” 10E eles enforcaram Hamã na forca que ele próprio havia preparado para Mardoqueu. Depois disso, o furor do rei se arrefeceu.

SHIR MIZMOR
Tehilim/Salmos 146:
1 Louvado seja o Eterno! Louva o Eterno, ó alma minha! 2 Louvarei o Eterno enquanto eu viver, cantarei em louvor ao meu Elohim enquanto eu existir. 3 Não confieis em príncipes em seres humanos que não podem garantir salvação. 4 Quando seu alento se exala, à terra retorna e nesse mesmo dia perecem os seus desígnios. 5 Feliz, porém, é aquele que tem no Elohim de Ya'akov o seu socorro e cuja esperança está no Eterno, seu Elohim; 6  que fez os céus e a terra, o mar e tudo o que eles contêm; que mantém para sempre a verdade; 7  que proporciona justiça aos oprimidos e dá alimento aos famintos; 8 é o Eterno Quem liberta os agrilhoados.  Ele abre os olhos dos cegos e reergue os caídos. 10 O Eterno ama os justos, o Eterno protege os peregrinos; 11 ao órfão e à viúva Ele reanima, mas frustra os caminhos dos ímpios. 12 Reinará para sempre o Eterno, teu Elohim, ó Tsiyon em todas as gerações! Louvado seja o Eterno! Haleluiah!
por Ya'el bat Yossef

Nenhum comentário:

Postar um comentário