sábado, 16 de novembro de 2013

REFLEXÃO SEDRAH 136 - HAFTARAH EM SH'MUEL ALEF/1 SAMUEL 8 (A GANÂNCIA/HA BATSAH)

por Yossef Michael
Na última Sedrah falamos sobre o suborno e como sua prática leva à perversão do direito.

Hoje poderemos ver outro agente motivador, cujas consequências são tão desastrosas como o suborno.

Sh’muel Alef/1 Samuel 8:3, “Mas os filhos não seguiram o seu exemplo. Ao contrário, orientaram-se pela ganância (habatsa), deixaram-se subornar e infringiram o direito”.

Mas, qual a relevância desta passagem? Estas foram as práticas que motivaram os anciãos de Yisra’El a procurarem a Sh’muel/Samuel para assim pedirem-lhe que constituísse sobre eles um rei.

Assim sendo, precisamos compreender o conceito semita de ganância, para vermos quão grave era sua prática. Vamos a algumas passagens para esclarecermos o contexto do pedido de Yisra’El:

Shemot/Êxodo 18:21, “E tu dentre todo o povo procura homens capazes, tementes a Elohim, homens de verdade, que odeiem a avareza (batsa); e põe-nos sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinqüenta, e maiorais de dez”;

Tehilim/Salmos 119:36, “Inclina o meu coração aos teus testemunhos, e não à cobiça (batsa);

Havakuk/Habacuque 2:6-9, “Não levantarão, pois, todos estes contra ele uma parábola e um provérbio sarcástico contra ele? E se dirá: Ai daquele que multiplica o que não é seu! (até quando?) e daquele que carrega sobre si dívidas! Porventura não se levantarão de repente os teus extorquiadores, e não despertarão os que te farão tremer, e não lhes servirás tu de despojo? Porquanto despojaste a muitas nações, todos os demais povos te despojarão a ti, por causa do sangue dos homens, e da violência feita à terra, à cidade, e a todos os que nela habitam. Ai daquele que, para a sua casa, ajunta cobiçosamente (batsa) bens mal adquiridos, para pôr o seu ninho no alto, a fim de se livrar do poder do mal!”.

Dentre as várias passagens, estas que transcrevo agora foram as que me causaram maior impacto e que talvez possam nos contextualizar melhor Sh’muel Alef/1 Samuel... Por isso apresento-as de forma mais estendida:

Yirmiyahu/Jeremias 6:10-16, “A quem falarei e testemunharei, para que ouça? Eis que os seus ouvidos estão incircuncisos, e não podem ouvir; eis que a palavra do Eterno é para eles coisa vergonhosa, e não gostam dela. Por isso estou cheio do furor do Eterno; estou cansado de o conter; derramá-lo-ei sobre os meninos pelas ruas e na reunião de todos os jovens; porque até o marido com a mulher serão presos, e o velho com o que está cheio de dias. E as suas casas passarão a outros, como também as suas herdades e as suas mulheres juntamente; porque estenderei a minha mão contra os habitantes desta terra, diz o Eterno. Porque desde o menor deles até ao maior, cada um se dá à avareza (batsa); e desde o profeta até ao sacerdote, cada um usa de falsidade. E curam superficialmente a ferida da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz. Porventura envergonham-se de cometer abominação? Pelo contrário, de maneira nenhuma se envergonham, nem tampouco sabem que coisa é envergonhar-se; portanto cairão entre os que caem; no tempo em que eu os visitar, tropeçarão, diz o Eterno. Assim diz o Eterno: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas; mas eles dizem: Não andaremos nele”;

Mal’achi/Malaquias 3:14-18, “Vós tendes dito: Inútil é servir a Elohim; que nos aproveita (betsa) termos cuidado em guardar os Seus Preceitos, e em andar de luto diante do Eterno dos Exércitos? Ora, pois, nós reputamos por bem-aventurados os soberbos; também os que cometem impiedade são edificados; sim, eles tentam a Elohim, e escapam. Então aqueles que temeram ao Eterno falaram frequentemente um ao outro; e o Eterno atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dEle, para os que temeram o Eterno, e para os que se lembraram do Seu nome. E eles serão Meus, diz o Eterno dos Exércitos; naquele dia serão para Mim joias; poupá-los-Ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Elohim, e o que não O serve”.

Existem ainda outras interessantes passagens, mas, creio que já temos material suficiente para nosso estudo de hoje. Vamos à análise dos contextos para podermos compreender o quão significativa é a questão da “ganância”.

Em Shemot/Êxodo vemos que homens que agiam com avareza/ganância não apresentavam condições para se tornarem líderes dentre o povo, por não serem homens de “verdade”!

Em Tehilim/Salmos, vemos que aqueles que agem com cobiça/ganância não conseguem agir segundo os testemunhos do Eterno, dado que seus corações desejam algo diametralmente oposto!

Em Havakuk/Habacuque, vemos que aqueles que despojaram indevidamente, agindo de forma violenta e sanguinária para com outras nações, tem seus bens conseguidos de forma cobiçosa/gananciosa, ou seja, não lhes eram de direito.
Vamos agora às duas passagens que encerram as demais e seu impressionante contexto.
Em Yirmiyahu/Jeremias, vemos a ganância como pano de fundo para a prática das mais diversas abominações sem qualquer vergonha ou preocupação. O profeta fala em tempos onde não mais seria possível conter o furor do Eterno e que esta ganância associada à falsidade dos kohanim/sacerdotes faria com que agíssemos em rebeldia, desviando-nos completamente de Seus Caminhos, as Veredas Antigas!
Finalmente, em Mal’achi/Malaquias, temos a resposta para uma das perguntas que mais nos assombram todos os dias de nossas vidas. Em um fantástico jogo de palavras, o Eterno nos diz através do profeta que aqueles que se propõem a andar segundo Sua Vontade, temendo-O e lembrando-se de Seu Nome (justos), aproveitam-se (betsa) de algo que o ímpio que age com ganância (batsa) e, para si, acumula riquezas e é “próspero” ao longo de toda sua vida, apesar de toda sua impiedade, não pode alcançar... Isto está descrito nos passukim/versículos 16 a 17, Então aqueles que temeram ao Eterno falaram frequentemente um ao outro; e o Eterno atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o Eterno, e para os que se lembraram do Seu nome. E eles serão Meus, diz o Eterno dos Exércitos; naquele dia serão para Mim joias; poupá-los-Ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Elohim, e o que não O serve”.
Com base em todas as passagens apresentadas talvez já tenhamos condições de compreender o que preocupava a Sh’muel/Samuel...
Essa preocupação está descrita em Sh’muel Alef/1 Samuel 8:6-8: “Mas esta expressão: 'Constitui sobre nós um rei, o qual exerça a justiça entre nós', desagradou a Sh'muel/Samuel, e então ele invocou ao Eterno. O Eterno, porém, disse a Sh'muel/Samuel: 'Atende a tudo o que te diz o povo, porque não é a ti que eles rejeitam, mas a Mim, porque não querem mais que Eu reine sobre eles.  Tudo o que têm feito Comigo desde o dia em que os fiz subir de Mitzrayim/Egito até agora — abandonaram-Me e seguiram outros deuses — assim fizeram contigo”.
A resposta está contida nas passagens que estudamos, especialmente em Yirmiyahu/Jeremias e Mal’achi/Malaquias...
Onde erraram nossos pais?
Ímpios sempre existirão, é algo que não está sob nosso controle... Que viveremos entre eles é outra verdade inegável... E isto se dará até que cheguem os Tempos Apontados pelo Criador, quando finalmente poderemos viver segundo Sua Torah...
O que devemos fazer então? Procurar viver Sua Verdade, Sua Torah, apenas encontrada se a buscarmos através das Veredas Antigas... Isto nos levará à prática de uma vida íntegra e alinhada com Sua Vontade... Talvez isto não nos “aproveite” (betsa) num primeiro momento, mas quando chegar a hora certa, se assim agirmos, por Sua infinita misericórdia, seremos contados entre os justos...
O erro de nossos pais foi buscar uma solução alternativa para o problema da ganância (batsa) e falsidade que permeavam entre seus shoftim/juízes e kohanim/sacerdotes, respectivamente... Esta solução encontrada foi considerada uma verdadeira abominação por Sh’muel/Samuel e pelo próprio Eterno, uma vez que O destronaram para, em Seu lugar, fazerem reinar um homem... 
Podemos entender esta situação como uma extensão da idolatria já praticada largamente por Yisra’El e que agora encontraria na figura de um homem, talvez um de seus pontos mais altos... Impressionante como esta alternativa era diametralmente oposta à Vontade do Criador...
O Eterno nos ordena que não sigamos os costumes das nações... Vaiykrah/Levítico 20:22-23, “Guardai, pois, todos os Meus estatutos, e todos os Meus juízos, e cumpri-os, para que não vos vomite a terra, para a qual Eu vos levo para habitar nela. E não andeis nos costumes das nações que Eu expulso de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; portanto fui enfadado deles”. Porém Yisra’El prefere seguir conforme sua “sabedoria”... Sh’muel Alef 8:5, “E disseram-lhe: "Tu envelheceste, e os teus filhos não seguiram o teu exemplo. Por isso, constitui sobre nós um rei, o qual exerça a justiça entre nós, como acontece em todas as nações”.
Muitas vezes em nosso dia-a-dia parecerá que riquezas e prosperidade estão sendo “arrancadas” de nós... Devemos estar atentos para o verdadeiro tesouro que nos é totalmente acessível... Basta estarmos dispostos a mudarmos nosso prisma...
Encerro com uma passagem que nos diz o que será importante em tempos talvez não tão distantes:
Amós 8:11, “Eis que vêm dias, diz o Eterno Elohim, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Eterno".

Chazak, Chazak Venit Chazek!!!
Força, força e que sejamos fortalecidos!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário