terça-feira, 30 de julho de 2013

SEDRAH 120 - RESUMO SEMANAL (HA'ISHAH / MULHERES): "AS 42 PARADAS DO POVO"

RESUMO DO ESTUDO SEMANAL DA SEDRAH
Bamidbar/Números: 33:1-5
"AS PARADAS DO POVO"
Na Sedrah desta semana a Torah relata as 42 paradas feitas pela Nação Israelita durante a travessia do deserto até a Terra Prometida. Os versos de 1 a 5 descrevem as duas primeiras paradas do povo.

Antes de falar diretamente sobre essas duas paradas, exploramos o que elas representam para aquela Nação e para nós como Povo/Israel.

Quando estamos caminhando rumo a um determinado lugar, o que mais temos é pressa para chegar; o ser humano tende a ser ansioso, desejando assim alcançar o seu objetivo final o mais rápido possível; parece que quando paramos estamos atrasando um sonho. Porém, parar é muito importante, pois, não podemos caminhar apenas por caminhar, temos que refletir se estamos no caminho certo e para isso muitas vezes temos que dar uma pausa.

PARAR pode ser positivo ou negativo para nós e também foi para Israel; podemos citar algumas situações negativas que aconteceram durante as paradas:
  • ·      Construíram o bezerro de ouro, prostrando-se à idolatria;
  • ·      Fizeram alianças com outros povos;
  • ·      Lashon Harah contra seus líderes;
  • ·      Corah e os seus se levantaram contra Hashem;
  • ·      Os 10 espias fizeram relatos totalmente pessimistas contra a Terra que Hashem tinha prometido ao povo. Foi um momento bastante difícil, onde o Eterno irou-se e fez com que toda aquela geração morresse no deserto e apenas dois daqueles que saíram do Egito, puderam entrar a terra.

Lendo apenas os relatos acima poderíamos concluir que todas as vezes que paramos, estamos mais sujeitos a cometer erros, porém analisando outras paradas que foram necessárias serem feitas pelo povo, chegamos à conclusão que houve crescimento, amadurecimento, ensinamento, momentos de reflexão, cura, purificação, proximidade/unidade.

Foi durante uma parada que Hashen fez com que as águas amargas se tornassem doces. Na parada seguinte Israel acampou ao lado de 12 fontes de águas, mostrando que quando caminharam mais puderam vivenciar com Hashem algo muito especial.

Outros acontecimentos positivos:
  • ·      Hashem entregou os Dez Mandamentos ao povo, através de Mosheh;
  • ·      Israel construiu o tabernáculo;
  • ·      Israel lutou e venceu os inimigos.

As paradas foram imprescindíveis para a caminhada do povo e para nossa caminhada. Devemos sempre lembrar que as paradas são importantes, pois nelas acontecem mudanças. As paradas devem ter um tempo determinado, pois, não podemos ficar inertes para sempre; temos de fazer novos planejamentos e perguntarmos se estamos fazendo realmente a vontade de Hashem (obediência à Torah).

Durante nossa caminhada de pouco mais de 7 anos de teshuvah, em todas as nossas paradas houve mudanças. Direcionados pelos nossos líderes, fomos obrigados a parar e reestudarmos os costumes e tradições que nos foram impostos culturalmente e que nos levou a acreditar que estávamos servindo a Hashem. 

O ser humano tende a se acomodar e muitas vezes não deseja mudar, pois, a mudança transforma e toda transformação requer uma luta interna contra aquilo que já acreditamos ser a nossa verdade. Temos de abrir mão, desejar tirar do nosso intimo a nossa verdade, para que o conhecimento/ensinamento possa nos trazer convicção.

Como pudemos ver, as paradas podem ser negativas e positivas, mas, o importante é sempre aproveitar as lições, pois, se as analisarmos iremos perceber que em cada uma o Eterno ensinou o Seu Povo. Hashem fez questão que essas paradas fossem todas registradas para que os erros e acertos do povo pudessem servir de aprendizado para as gerações seguintes.

Nas duas primeiras paradas, mencionadas no trecho que escolhemos para reflexão, a primeira recebeu o nome Ram’ses que significa “desfalece”. O povo estava sem força, sem ânimo, prostrado e sem esperança, pois, sabia que havia nascido escravo e morreria naquela mesma condição no Egito; essa era a situação dos israelitas quando aceitaram ser libertos por Hashem. A segunda parada recebe o nome Sucot, que representa o próprio Eterno habitando no meio do Seu povo, sendo a sua morada/sua cobertura. Quando o povo de Israel decide mudar de vida e caminha no deserto, o Eterno cuida e provê tudo o que eles necessitam. Durante o dia tinham a nuvem como proteção e à noite uma coluna de fogo.  

Este talvez seja o maior aprendizado que Hashem desejou que o Seu povo assimilasse; quando decidimos caminhar com Ele, em obediência a Sua Palavra, podemos ter a certeza de que teremos a Sua proteção em todos os momentos da nossa vida. Mesmo diante deste mundo - onde achamos que perdemos tudo quando decidimos segui-Lo - podemos ter a certeza de que estaremos sempre acompanhados do TODO PODEROSO.


encaminhado por Rivkah

Nenhum comentário:

Postar um comentário