terça-feira, 23 de julho de 2013

SEDRAH 119 - RESUMO SEMANAL HA'ISHAH (MULHERES) - UNIDADE

RESUMO DO ESTUDO SEMANAL DA SEDRAH
Bamidbar/Números 32:01-42
"UNIDADE" O texto desta semana relata o episódio em que duas tribos, Reuven e Gad, não quiseram combater para entrar na terra que o Eterno havia prometido; queriam ficar fora da conquista, deixando o povo seguir incompleto, sem a necessidade de participar da batalha. 

Eles reclamaram da partilha na terra de Israel, alegando que poderiam ficar com uma terra inadequada e, assim, teriam dificuldades de se ajustar, pois esta partilha seria feita por meio de um sorteio. Com medo de correr o risco, logo escolheram a terra, ao oriente do Jordão, terra boa para o gado.

Escolheram agir como queriam e não como o Eterno determinara, a atitude de alguns levaria o povo todo sofrer, pois, o  Eterno tinha uma Aliança com um povo, e não individualmente.

Será que houve medo de enfrentar a guerra? Faltou confiança no Eterno? Será que hoje nós confiamos a ponto de esperar a resposta do Eterno antes de agir à nossa maneira? Para aquela parte do povo faltou sim confiança total no Eterno. Confiaram no poder das próprias mãos. 

Mosheh os repreende para que não contaminem os outros; que não façam conforme seus pais, quando difamaram a terra e desanimaram muitos de prosseguir no deserto, além das conseqüências para todo o povo: andar em círculos por anos e anos. “Se deixarem de segui-Lo, de novo Ele os abandonará no deserto, e vocês serão o motivo da destruição de todo este povo”. (15)

Dessa forma, entenderam que deviam agir como povo, mas, pedem para construir currais e construir casas para os filhos. Mosheh responde que construíssem casas e depois currais. Pensaram primeiramente no gado e depois nos filhos, sendo que os filhos poderiam ter o melhor dentro de Israel. 

É fundamental pensar na educação dos filhos com prioridade, primeiramente dedicar tempo de qualidade a eles, com a responsabilidade de ensinar e cuidar. Em segundo plano as finanças, as aquisições, os bens materiais. De que adianta conquistar fortunas e perder o desenvolvimento dos próprios filhos e o amor da família? 

Eles se propuseram a lutar como povo e tomar posse da terra, obedecendo à ordem de Hashem. “Construam cidades para as suas mulheres e crianças, e currais para os seus rebanhos, mas façam o que vocês prometeram". (24), assim estariam desobrigados da promessa feita a Hashem e todo Israel.

 Infelizmente, com tantos exemplos na Torah, ainda hoje somos muito egoístas; queremos somente a nossa parte; não pensamos nos outros. Por mais que tenhamos nossos desejos e afazeres, não devemos esquecer que somos povo do Eterno; precisamos conquistar juntos, construir em conjunto, agir em equilíbrio, com justiça e amor.

Muitas pessoas não querem o trabalho, as dificuldades; querem o “bolo” pronto e somente “desfrutar da festa”, deixando suas tarefas na responsabilidade dos outros, não se preocupando com seus afazeres no Reino e, conseqüentemente, desagradando a Hashem. É uma sucessão; quando fazemos pelo povo, fazemos também pelo Eterno, pois, somos o mesmo povo que fez Aliança com Hashem no deserto e o plano dEle não mudou.

O que manteve aquele povo vivo no deserto foi a união que existia entre as tribos. Para que alcancemos a nossa identidade como Israel e para que as nações nos enxerguem como o povo do Eterno, definitivamente precisamos nos comprometer a viver em união e na obediência da Torah.

“Como é bom e agradável quando os achim (irmãos) convivem em união! 
Tehilim/Salmos  133:1
Por: Reyna Ahava

Nenhum comentário:

Postar um comentário