quinta-feira, 25 de julho de 2013

CICLO TRIENAL - SEDRAH 120 (Semana de 21 a 27 de julho/2013)

(Shabat Shalom)
Torah: Bamidbar/Números 33:1-56
Tema: Os acampamentos de Yisra'El
Haftarah: Melachim Beit/2ºReis 19; Yehesk’El/Ezequiel 6; Chavacuk/Habacuque 3
Tema(s): O apelo de Chizkiyahu; Os pecados de Yisra'El; Súplica ao Eterno
Shirim U’Chochmah: Kohelet/Eclesiastes 8:9-17
Tema: Justiça e injustiça
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 120
Tema: Contra a traição

TORAH
Bamidbar/Números 33:
1 Estas são as jornadas dos Yisre’eliym que deixaram o Egito em grupos organizados[1] sob a liderança de Mosheh e Aharon. 2 Mosheh registrou suas paradas[2] ao longo do caminho sob as ordens do Eterno. Estas foram as suas paradas ao longo do caminho: 3 Os Yisre’eliym deixaram Ram'sés[3] no décimo quinto dia do primeiro mês[4]. No dia seguinte ao sacrifício de Pessach[5] os Yisre’eliym saíram triunfalmente[6] diante dos olhos dos egípcios. 4 O Egito ainda estava sepultando todos os seus primogênitos[7], que tinham sido mortos pelo Eterno e o Eterno tinha destruído seus ídolos[8]5 Os Yisre’eliym deixaram Ram'ses e acamparam em Sukot[9]6 Eles deixaram Sukot e acamparam em Etam[10] na margem do deserto. 7 Eles deixaram Etam e retornaram para Vale da Liberdade, frente a Senhor-do-Norte, acampado perto de Torre[11]8 Eles deixaram o Vale da Liberdade e cruzaram o Mar Vermelho[12] na direção do deserto. Eles viajaram por três dias no Deserto de Etam[13] e acamparam em Marah[14]9 Eles deixaram Marah e vieram para Eilim[15]. Em Eilim havia doze fontes de água e setenta palmeiras e eles acamparam lá. 10 Eles deixaram Eilim e acamparam próximo do Mar Vermelho[16]11 Eles deixaram o Mar Vermelho e acamparam no Deserto de Sin[17]12 Eles deixaram o Deserto de Sin e acamparam em Dofkah[18]13 Eles deixaram Dofkah e acamparam em Alush[19]14 Eles deixaram Alush e acamparam em Refidim[20], onde não havia água para o povo beber. 15 Ele deixaram Refidim e acamparam no Deserto do Sinai[21]16 Ele deixaram o Deserto do Sinai e acamparam em Sepulturas-do-Desejo[22]17 Eles deixaram as Sepulturas-do-Desejo  e  acamparam  em  Chatserot[23]18 Eles deixaram Chatserot e acamparam em Ritmah[24]19 Eles deixaram Ritmah e acamparam em Rimon Perets[25]20 Eles deixaram Rimon Perets e acamparam em Livnah[26]21 Eles deixaram Livnah e acamparam em Risah[27]22 Eles deixaram Risah e acamparam em Kehelatah[28]23 Eles deixaram Kehelatah[29] e acamparam em Monte Shefer[30]24 Eles deixaram o Monte Shefer e acamparam em Charadah[31]25 Eles deixaram Charadah e acamparam em Mak'helot[32]26 Eles deixaram Mak'helot e acamparam em Tachat[33]27 Eles deixaram Tachat e acamparam em Terach[34]28 Eles deixaram Terach e acamparam em Mitkah[35]29 Eles deixaram Mitkah e acamparam em Chashmonah[36]30 Eles deixaram Chashmonah e acamparam em Mosserot[37]31 Eles deixaram Mosserot e acamparam em B’nei Yaakan[38] 32 Eles deixaram B’nei Yaakan e acamparam em Chor HaGidgad[39]33 Eles deixaram Chor HaGidgad e acamparam em Yatvatah[40]34 Eles deixaram Yatvatah e acamparam em Avronah[41]35 Eles deixaram Avronah e acamparam em Etsion Gever[42]36 Eles deixaram Etsion Gever e acamparam em Kadesh[43], no Deserto de Tsin. 37 Eles deixaram Kadesh e acamparam na Montanha de Hor[44], na fronteira da terra de Edom. 38 Aharon, o kohen, subiu a Montanha de Hor ao comando do Eterno e ele morreu ali no primeiro dia do quinto mês, no quadragésimo ano do êxodo dos Yisre’eliym do Egito. 39 Quando ele morreu na montanha de Hor, Aharon tinha cento e vinte e três anos de idade[45]40 O rei Kana’aniy de Arad que vivia no Negev na terra de Kena'an, ouviu que os Yisre’eliym tinham chegado. 41 Eles deixaram a Montanha de Hor e acamparam em Tsalmonah[46]42 Eles deixaram Tsalmonah e acamparam em Punon[47]43 Eles deixaram Punon e acamparam em Ovot[48]44 Eles deixaram Ovot e acamparam em Desfiladeiros Desolados na fronteira de Moav[49]45 Eles deixaram os desfiladeiros e acamparam em Divon Gad[50]46 Eles deixaram Divon Gad e acamparam em Almon Divlataimah[51]47 Eles deixaram Almon Divlataimah e acamparam nas montanhas Avarim[52] em frente ao monte Nebo[53]48 Eles deixaram a montanha Avarim e acamparam nas Planícies Ocidentais de Moav no Yarden frente a Yericho[54]49 Ali eles acamparam ao longo do Yarden, de Beit HaYeshimot[55] e Avel Shitim[56] nas Planícies Ocidentais de Moav. 50 O Eterno falou a Mosheh nas Planícies Ocidentais do Yarden, frente a Yericho, dizendo-lhe para 51 falar aos Yisre’eliym e dizer-lhes: Quando vocês cruzarem o Yarden para a terra de Kana'an, 52 vocês devem expulsar os habitantes da terra de diante de vocês. Vocês devem destruir todas as suas pedras esculpidas[57] e demolir todos os seus ídolos de metal fundido e altos altares. 53 Desocupem a terra e vivam nela, uma vez que é para vocês que Eu estou dando a terra para ocupar. 54 É por um sistema de sorteio que vocês distribuirão a terra para suas famílias. Para uma grande família deem uma grande porção, para uma pequena deem uma porção menor. Distribuam a terra para as famílias paternas e cada um terá o que o sistema de sorteio ditar. 55 Se vocês não expulsarem os habitantes da terra diante de vocês, aqueles que permanecerem serão farpas em seus olhos e espinho em seus lados, causando a vocês dificuldades na terra que vocês assentarem. 56 Eu então farei a vocês o que originalmente planejei fazer a eles.

[1] Bamidbar/Números 33:1 – Grupos organizados. Diz Shemot/Êxodo 6:“26 Estes são Aharon e Moshe, a quem YHWH disse: “Fazei sair de Mitsrayim os b’nei Yisra’El, segundo os seus exércitos”.”, 7:”4 Ele não vos ouvirá. Então estenderei Minha mão sobre Mitsrayim e farei sair dele os Meus exércitos, Meu povo, os b’nei Yisra’El, com uma grandiosa manifestação de justiça.”, 12:“17 Guardareis a festa dos pães ázimos, porque foi naquele dia que tirei de Mitsrayim vossos exércitos. Guardareis aquele dia por vossas gerações: é estatuto perpétuo.” e 12:“51 Naquele mesmo dia, YHWH fez sair de Mitsrayim os b’nei Yisra’El, como fileiras de um exército”.
[2] Bamidbar/Números 33:2 – Suas paradas. Ou pontos de partida. Literalmente é 'saídas' ou 'esses são os eventos ao longo do caminho'. Uma vez que a maioria dos nomes dos lugares aqui aparecem em outros trechos da Bíblia, aparentemente eles foram dados pelos Yisre’eliym em comemoração de eventos específicos.
[3] Bamidbar/Números 33:3 – Deixaram Ram'sés. Conforme Shemot/Êxodo 12:“37 Os b’nei Yisra’El partiram de Ramsés para Sukot, em número de seiscentos mil homens, aproximadamente, sem contar os meninos”.
[4] Bamidbar/Números 33:3 – 15º dia do primeiros mês. Conforme Shemot/Êxodo 12:“6 E o guardareis até o décimo quarto dia deste mês; então toda a multidão da assembleia dos b’nei Yisra’El os imolarão no crepúsculo”. No calendário judaico isto ocorreu em 25 de março de 1313, antes da Era Comum.
[5] Bamidbar/Números 33:3 – Sacrifício de Pessach. Conforme Vaiykra/Levítico 23:”4 Estes são os festivais do Eterno que vocês devem celebrar como feriados sagrados em suas épocas apropriadas: 5 A tarde do 14º dia do primeiro mês é época em que vocês devem sacrificar a oferenda de Pessach ao Eterno. ” e perek/capítulo 28, passuk/versículo 16, acima.
[6] Bamidbar/Números 33:3 – Saíram triunfalmente. Conforme Shemot/Êxodo 12:“29 Pelo meio da noite, YHWH feriu todos os primogênitos em Mitsrayim, desde o primogênito do faraó, que devia assentar-se no trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere e todos os primogênitos dos animais”.
[7] Bamidbar/Números 33: – Sepultando todos os seus primogênitos. Conforme Shemot/Êxodo 12:“29Pelo meio da noite, YHWH feriu todos os primogênitos em Mitsrayim, desde o primogênito do faraó, que devia assentar-se no trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere e todos os primogênitos dos animais.
[8] Bamidbar/Números 33:4 – Tinha destruído seus ídolos. Conforme Shemot/Êxodo 12:“12Naquela noite, passarei através de Mitsrayim e ferirei os primogênitos em Mitsrayim, tanto os dos homens como os dos animais e exercerei Minha justiça contra todos os deuses de Mitsrayim. Eu sou YHWH”. 18:“11Agora sei que YHWH é maior que todos os elohim. Porque apesar do conselho dos mitsraiym contra eles, Ele trinfou sobre eles!” e Yeshaiyahu/Isaías 19:”1 Esta é a mensagem do Eterno referente ao Egito: Vejam, o Eterno está vindo contra o Egito, montado numa nuvem veloz. Os ídolos do Egito tremem. O coração dos egípcios derrete-se de medo”.
[9] Bamidbar/Números 33:5 – Sukot. “Abrigos”. Conforme Shemot/Êxodo 12:“37 Os b’nei Yisra’El partiram de Ramsés para Sukot, em número de seiscentos mil homens, aproximadamente, sem contar os meninos”. Foi em Sukot que, pela primeira vez, os Yisre’eliym foram protegidos pelas Nuvens da Glória.
[10] Bamidbar/Números 33:6 – Etam. Conforme Shemot/Êxodo 13:“20 Tendo partido de Sukot, acamparam em Etam, na extremidade do deserto”.
[11] Bamidbar/Números 33:7  Vale da Liberdade...perto de Torre(Migdal). Conforme Shemot/Êxodo 14:1 YHWH disse a Mosheh: 2 “Dize aos b’nei Yisra’El que mudem de direção e venham acampar diante de Pi-Hachirot, entre Migdol e o mar, defronte de Ba'al-Tsefon: acampareis defronte desse lugar, perto do mar”. Pi-Hachirot ou Pi-Hairote é a quarta estação do Êxodo. As quinta e sexta estações são Marah e Elim Tebas no Porto do Mar Vermelho. Os livros bíblicos do Êxodo e Números referem-se a Pi-Hachirot como o lugar onde os Yisre’eliym acamparam entre Ba'al-Tsefon e Migdol(Torre), enquanto se aguardava um ataque de faraó, antes de atravessar o Mar Vermelho. Aqueles que postulam ser um nome hebraico, têm especulado que ‘Pi-Hachirot’, pode significar ‘boca das gargantas’ descrevendo-se a sua localização como o fim de um canal ou rio. William Smith, em seu Dicionário de Geografia grega e romana, tenta identificar Pi-Hachirot com Arsinoe, no Egito.
[12] Bamidbar/Números 33:8 – Cruzaram o Mar Vermelho. Conforme Shemot/Êxodo 14:“22 e os b’nei Yisra’El desceram a pé enxuto no meio do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda”. Isto ocorreu no vigésimo primeiro dia do primeiro mês e, segundo o calendário judaico, no ano 1313, antes da Era Comum.
[13] Bamidbar/Números 33:8 – Deserto de Etam. Verificar perek/capítulo 33, passuk/versículo 6 Aparentemente, o Deserto de Etam compreendia ambos os lados do norte do Mar Vermelho.
[14] Bamidbar/Números 33:8 – Marah. Conforme Shemot/Êxodo 15:“23 Chegaram a Marah, onde não puderam beber de sua água, porque era amarga, de onde o nome de Marah que deram a esse lugar”.
[15] Bamidbar/Números 33:9 – Eilim. Conforme Shemot/Êxodo 15:“27 E chegaram a Eilim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras; e ali acamparam junto das águas”.
[16] Bamidbar/Números 33:10 – Próximo ao Mar Vermelho. Ou seja, na praia, provavelmente denominada Nuweiba, no Golfo de Ákaba, a única praia no Mar Vermelho suficientemente grande para a quantidade dos hebreus do Êxodo (cerca de 2 milhões). Para alcançar essa praia o povo teria caminhado mais de 300km sem fazer pausas e com alimento apenas para 7 dias (Shemot/Êxodo 136-8).
[17] Bamidbar/Números 33:11 – Deserto de Sin. Diz Shemot/Êxodo 16:”1 Toda a assembleia dos b’nei Yisra’El partiu de Eilim e foi para o deserto de Sin, situado entre Eilim e o Sinai. Era o décimo quinto dia do segundo mês após sua saída de Mitsrayim”.
[18] Bamidbar/Números 33:12 – Dofkah. Não mencionado em Êxodo. Em Shemot/Êxodo 17:1, na versão do Rabino Arieh Kaplan, temos que a comunidade Yisre’eliy partiu do Deserto de Sin, viajando de acordo com as instruções do Eterno. Essa imprecisão quanto à próxima localidade para onde foram, pode ser um indicativo de que Dofkah tenha sido um dos lugares por onde passaram, mas isso é uma especulação.
[19] Bamidbar/Números 33:13 – Alush. Mais um local não citado em Êxodo. Considerar o exposto na Nota de Rodapé anterior. Alguns dizem que nesse local o Maná começou a cair. Talvez tenha sido em Alush que se guardou o primeiro Shabat. Algumas fontes traduzem Alush como 'cidade poderosa'.
[20] Bamidbar/Números 33:14 – Refidim. Tudo indica que eles chegaram em Refidim num Yom Rishom.
[21] Bamidbar/Números 33:15 – Deserto do Sinai. Citado em Shemot/Êxodo 19:“2 Tendo partido de Refidim, chegaram ao deserto do Sinai, onde acamparam”. Permaneceram neste lugar por quase um ano. Ver acima o perek/capítulo 10, passuk/versículo 12.
[22] Bamidbar/Números 33:16 – Sepulturas-do-Desejo. É Kivrot HaTaavah. Conforme perek/capítulo 11, passuk/versículo 34, acima. Em hebraico é קבר kavar,uma raiz que pode significar ‘sepultar, ser sepultado, sepultar em massa’. Também קבר kever ou no feminino קברה Kivrah, podendo significar túmulo, sepultura, tumba. Dessas raízes vem קברות התאוה kivroth HaTaavah significando 'túmulos de cobiça'. Refere-se a um ponto de parada de Yisra'El no deserto a uma determinada distância do Sinai, próximo ao golfo de Akava.
[23] Bamidbar/Números 33:17 – Chatserot. 'Pátios'. Ver perek/capítulo 11, passuk/versículo 35, acima. Foi nesse lugar que Myriam foi punida, conforme  se vê no perek/capítulo 12, passuk/versículo 6, acima. Alguns dizem que também nesse local ocorreu a rebelião de Korach.
[24] Bamidbar/Números 33:18 – Ritmah. Está é Kadesh Barnea, o lugar de onde os espiões foram enviados. Alguns dizem que era um lugar onde muitas giestas (rotem – flores amarelas e brancas) cresciam. Há quem admita que os Yisre’eliym permaneceram nesse lugar por 19 anos.
[25] Bamidbar/Números 33:19 – Rimon Perets. Ou 'Rimon Parets' conforme a Septuaginta. 'Árvore Espalhada de Romãs'. Eles estavam agora indo na direção norte, ao Golfo de Ákaba, circundando as Montanhas de Seir, conforme D'varim/Deuteronômio 2:”1 Então voltamos para trás, através do deserto, para o Mar Vermelho, pois fora assim que o Eterno me mandara. 2 Durante muitos anos vagamos à volta do Monte Seir. Por fim o Eterno disse-me:”. Portanto, muito provavelmente os Israelitas estavam viajando para o leste das Montanhas do Neguev. É possível identificar Rimon Perets com a Montanha Ramon, no Neguev. Alguns dizem que eles viajaram através do Deserto de Moab.
[26] Bamidbar/Números 33:20 – Livnah. Em hebraico temos: לבנה Livnah, procedente de { לבנהlivneh, que por sua vez procede de [לבן lavan, uma raiz que pode significar: ‘Ser branco, tornar branco, tornar-se branco, purificar, mostrar brancura, embranquecer, ser purificado no sentido ético, fazer tijolos, a branca segundo o dicionário http://free-translation.imtranslator.net/Portuguese-languag]. Enfim, לבנה livneh é um nome masculino que pode significar: ‘Choupo, choupo branco,  uma árvore que expele uma resina branca e leitosa]}. Por término לבנה Livnah é um nome feminino que pode significar: ‘Ladrilho, pavimento, tijolo ou tijolos. Refere-se a um lugar em que as fronteiras estavam marcadas com tijolos de construção.
[27] Bamidbar/Números 33:21 – Risah. Ou 'Beit Risah'. Segundo a Septuaginta. Em árabe 'risah' denota um poço entupido com pedras. Em hebraico é: רסה Risah, procedente de (רסס rasas, uma raiz que significa: ‘Umedecer’). É um nome próprio de localidade que em português é grafado como rissa significando 'ruína'. Refere-se a um dos quarenta e dois lugares de parada de Yisra'El no deserto.
[28] Bamidbar/Números 33:22 – Kehelatah. Ou 'Mak'helatah' conforme a Septuaginta. No perek/capítulo 33, passuk/versículo 25, logo adiante, temos 'Mak'helot'. Alguns dizem que a rebelião de Korach ocorreu neste lugar. Uma vez que houve dezoito paradas entre Ritmah e Kadesh, os Yisre’eliym  despenderam, em média, um ano em cada parada.
[29] Bamidbar/Números 33:23 – Kehelatah. Em hebraico temos: קהלתה Kehelatah, procedente de (קהל kahal, uma raiz; DITAT - 1991; v. que pode significar: ‘Reunir, juntar, reunir por razões religiosas ou por razões políticas, convocar uma assembleia para guerra ou julgamento. קהל kahal pode ainda significar: “Assembleia, companhia, congregação, convocação, assembleia para mau conselho, guerra ou invasão,  companhia de exilados que retornavam, congregação como um corpo organizado).  קהלתה Kehelatah é um nome próprio de localidade que em português, respeitado o transliterado, é grafado como: ‘Queelata’ significando 'assembleia'. Refere-se a um local de parada dos Yisre’eliym durante as suas peregrinações pelo deserto.
[30] Bamidbar/Números 33:23 – Monte Shefer. Ou 'Shafer', conforme a Septuaginta. Literalmente é 'Bela Montanha'. Alguns dizem que o Monte Shefer era uma montanha com belos frutos.
[31] Bamidbar/Números 33:24 – Charadah. Em hebraico é Charadah, o mesmo que { חרדהCharadah, o mesmo que [ חרדה charadah, que por sua vez procede de [chared, procedente de (חרד charad, uma raiz que pode significar: ‘Tremer, estremecer, mover-se, estar com medo, estar assustado, estar apavorado, tremer ou estremecer referindo-se a uma montanha, tremer referindo-se a pessoas, ser extremamente cuidadoso,  ir ou vir tremendo, fazer tremer, guiar em terror, derrotar um exército)]. Por fim חרד chared significa ‘trêmulos, temerosos, medrosos}. É um nome feminino que pode significar: ‘Medo, ansiedade, tremor, ansiedade extrema, cuidado ansioso, tremor, cuidado ansioso}. É um nome próprio de localidade que em português, observado o transliterado, é grafado como ‘Harada’ significando 'medo' ou ‘tremor’. Refere-se a um local de parada de Yisra'El no deserto cuja localização é desconhecida. É um nome próprio de localidade que em português, observado o transliterado, é grafado como ‘Harada’ significando  'medo' ou ‘tremor’. Isso porque nesse lugar os Yisre’eliym tremeram em virtude da praga descrita no perek/capítulo 17, passukim/versículos 17:10-12, acima transcritos.
[32] Bamidbar/Números 33:25 – Mak'helot. Um lugar de reunião, possivelmente onde ocorreu o milagre do florescimento do bordão de Aharon. Pode ter sido também um lugar de louvor ao Eterno. Alguns dizem que nesse lugar ocorreu uma demonstração.
[33] Bamidbar/Números 33:26 – Tachat. Identificado como Kata’at, conforme a Septuaginta. Alguns dizem que 'tachat' é um nome impróprio, denotando as terra baixas de Mak’helot. Possivelmente é a área sul do Monte Karkom ou Ram el-Parudi, no Sinai. Em hebraico é: תחת tachat, procedente da mesma raiz que (Toach, significando ‘deprimir’. É um nome próprio masculino que é grafado como Toah significando 'humilde'. Refere-se ao  filho de Zuf, pai de Eli’El e ancestral de Sh’muel). Enfim, תחת tachat é um nome masculino que pode significar: ‘A parte de baixo, debaixo de, em lugar de, como, por, por causa de, baixo, para, onde, conquanto, a parte de baixo, abaixo, sob, debaixo de, ao pé de uma expressão idiomática, suavidade, submissão, mulher, ser oprimido no sentido figurado, referindo-se à submissão ou conquista, o que está debaixo, o lugar onde alguém está parado, em lugar de alguém, o lugar onde alguém está parado como expressão idiomática com pronome reflexivo, em vez de em sentido de transferência, em troca ou pagamento por referindo-se a coisas trocadas uma pela outra, em vez de, em vez disso, em pagamento por isso, por causa disso em compostos, em,  para o lugar de depois de verbos de movimento, de sob, de debaixo de, de sob a mão de, de seu lugar. Há um correspondente em aramaico para תחת tachat também significando ‘sob’. Pode ser encontrado grafado como Taate significando 'parada'. Neste caso é um nome próprio masculino que se refere a um leviy koatiy ben Assir e pai de Uri’El ou a um leviy koatiy ben Assir e pai de Tsefaniyah/Sofonias ou ainda a um filho de Bered, bisneto de Efraym e pai de Eleadah ou a um filho de Eleadah. Também pode ser usado como nome próprio de localidade para se referir a um local de parada de Yisra'El no deserto.
[34] Bamidbar/Números 33:27 – Terach. Este é o nome do pai de Avraham, conforme Bereshit/Gênesis 11:25 Seguindo o cognato semita, 'terach' denota uma espécie de bode de montanha e este era, possivelmente, um lugar onde esses animais eram encontrados. Em hebraico é: תרח Terach, de origem incerta; grego 2291 θαρα. Partindo do transliterado é grafado em português como ‘Terá’ significando 'parada para acampamento'. É um nome próprio masculino quando se refere ao pai de Avraham ou nome próprio de localidade significando 'demora' para se referir a uma parada para acampamento de Yisra'El no deserto.
[35] Bamidbar/Números 33:28 – Mitkah. 'Doçura'. Este era um lugar com boa água fresca. Possivelmente Beer-el-Main ou Beer Bedah, no Sinai.
[36] Bamidbar/Números 33:29 – Chashmonah. A família Chashmonaim, que incluía Matatias, pode ter tido aí sua origem. Chashmonah é identificado como Selmonah na Septuaginta. Em hebraico é חשמנה Chashmonah, o feminino de (חשמן chashman, provavelmente significando ‘firme’ ou ‘amplo em recursos’. É um nome masculino que pode significar: ‘Embaixadores, bronze, de significado incerto). חשמנה Chashmonah é um nome próprio de localidade que, considerando-se o transliterado, é grafado em português como ‘Hasmona’ significando 'abundância'. Refere-se a uma parada de Yisra'El no deserto.
[37] Bamidbar/Números 33:30 – Mosserot. Da palavra 'mussar' que significa 'castigo'. Assim é visto como um lugar de castigo ou rebelião. Em D'varim/Deuteronômio 10:”6 O povo de Yisra'El deslocou-se, após isso, de Berot-B’nei-Yaacah até Mosserah, onde Aharon morreu e foi enterrado. O seu filho Eleazar sucedeu-lhe no exercício das funções de sacerdote”. Encontramos os Yisre’eliym indo de B’nei Yaakan para Mosserah. De acordo coma tradição os Yisre’eliym retornaram a Mosserah após a morte de Aharon. Este foi um ato rebelde e um grande número de Yisre’eliym foi morto. Alguns dizem que aharon foi sepultado em Mosserah.
[38] Bamidbar/Números 33:31 – B’nei Yaakan. Ou 'Beerot B’nei Yaakan' significando 'Poço dos b’nei Yaakan'. A Septuaginta traduziu para 'Banaea'. Yaakan era um horiy. Outros traduzem como 'poço da aflição' ou 'poço do passo estreito'. Possivelmente é Beerot Oded no Sinai.
[39] Bamidbar/Números 33:32 – Chor HaGidgad. Ou 'Buraco de Gidgad' ou 'Penhascos de Gidgad'. A Septuaginta traduz como montanha Gadgad'.
[40] Bamidbar/Números 33:33 – Yatvatah. Um lugar descrito como tendo ribeiros fluindo. É traduzido como 'um bom e calmo lugar'.
[41] Bamidbar/Números 33:34 – Avronah. Este é traduzido como 'um rio cruzando' ou 'vau'. ‘Megissatah’ em aramaico. Pode ser onde os Yisre’eliym cruzaram o leito do Aravah, no caminho para Eilat.
[42] Bamidbar/Números 33:35 – 'Etsion Gever’. 'Canto do galo'. Em aramaico é 'k'rach tarnego'. Ou 'cidade do galo'. É uma cidade no golfo de Ákaba conforme indica Melachim Alef/1ºReis 22:“49 O rei Yehoshafat mandou construir grandes navios para irem a Ofir buscar ouro; mas nunca lá chegaram porque naufragaram em Etsion-Guever”.  Situada a cerca de 3 quilômetros e leste de Eilat. Portanto os Israelitas dirigiram-se para o sul de Kadesh Barnea, para a praia do golfo de Ákaba.'.
[43] Bamidbar/Números 33:36 – Kadesh. Este é o lugar onde Myriam morreu. Alguns entendem que os Yisre’eliym permaneceram neste lugar por 19 anos. Os Israelitas estavam outra vez se dirigindo para o norte.
[44] Bamidbar/Números 33:37 – Montanha de Hor. Conforme o perek/capítulo 20:“22 Por causa dessa recusa de Edom em deixar Yisra'El passar pela sua terra, foram obrigados a voltar para trás, indo de Kadesh até ao monte Hor”.  ‘Hor’ em hebraico é: הר Hor, outra forma de [הר har, uma forma contraída de (הרר harar, significando agigantar-se; DITAT - 517. É um nome masculino que pode significar: ‘Montanha, outeiro, território montanhoso, monte). É um nome masculino que pode significar: ‘Outeiro, montanha, território montanhoso, monte’]. É um nome próprio de localidade que significa 'montanha'. Refere-se à montanha na qual Aharon morreu; situada no lado oriental do vale do Aravah, o mais alto de toda a cadeia de montanhas de arenito em Edom. No seu lado oriental está a cidade antiga de Petra ou à montanha identificada como um dos marcos da fronteira do norte da terra que os b’nei Yisra'El estavam prestes a conquistar; localizada no Líbano.
[45] Bamidbar/Números 33:39 – Cento e vinte e três anos. Aharon era três anos mais velho do que Mosheh, conforme indica Shemot/Êxodo 7:“7 Moshe tinha oitenta anos e Aharon oitenta e três, quando falaram ao faraó”.
[46] Bamidbar/Números 33:41 – Tsalmonah. Foi neste lugar que o povo começou a reclamar de novo. Eles estavam novamente dirigindo-se para o sul na direção do Golfo de Ákaba. Em hebraico é: צלמנה Tsalmonah, feminino de  צלמנה Tsalmonah. É um nome próprio de localidade que, considerando o transliterado, é grafado em português como ‘Zalmona’ significando 'sombreado'. Refere-se a um lugar de parada de Yisra'El durante as peregrinações no deserto situado no lado oriental de Edom.}. É um nome próprio de localidade que, considerando o transliterado, é grafado em português como ‘Zalmona’ significando 'sombreado'. Refere-se a um lugar de parada de Yisra'El durante as peregrinações no deserto situado no lado oriental de Edom. tsalmavet, procede de [6738 e de 4194, respectivamente, צל tsel, procedente de ( מות mavet, por sua vez procedente de מות mut, uma raiz que pode significar: ‘Morrer, matar, executar, morrer como penalidade, ser levado à morte, perecer referindo-se a uma nação, morrer prematuramente por negligência de conduta moral sábia, despachar, ser morto, ser levado à morte, morrer prematuramente, morte, moribundo, morte personificada, reino dos mortos, morte por violência como penalidade, estado de morte, lugar da morte). צל tsel é um nome masculino com os significados de: ‘Sombra, sombra no relógio de sol, sombra, lugar escuro como proteção, sombra como simbólico para a transitoriedade da vida]. Por fim צלמות tsalmavet  é um nome masculino com o significado de: ‘Sombra da morte, sombra densa, trevas densas, trevas profundas, escuridão, sombra da morte referindo-se a angústia, perigo extremo no sentido figurativo, sombra da morte referindo-se ao lugar dos mortos no sentido figurativo.
[47] Bamidbar/Números 33:42 – Punon. Neste lugar o povo foi picado pelas serpentes venenosas. Em hebraico é: פונן Punon, procedente de (פון pun, uma raiz  significando ‘girar’, isto é, ‘estar perplexo’. Pode então significar ‘estar perplexo’, ‘estar confuso’. É um nome próprio de localidade. Punon significa 'trevas' e se refere a uma parada de Yisra'El em suas peregrinações pelo deserto.
[48] Bamidbar/Números 33:43 – Ovot. Conforme perek/capítulo 21, passuk/versículo 10:“Yisra'El deslocou-se a seguir para Ovot e acampou ali”. Ovot é identificada como 'el-Welba', 48 quilômetros ao sul do Mar Morto ou 'Ein  Hosob', 24 quilômetros ao sul do Mar Morto. Em hebraico é: אבת ovot, plural de [אוב ov, procedente da mesma raiz que (אב av, uma raiz. É um nome masculino que pode significar: ‘Pai de um indivíduo, pode ser uma referência ao Eterno como pai de Seu povo, cabeça ou fundador de uma casa, grupo, família ou clan, antepassado, avô, antepassados de uma pessoa referindo-se ao povo, originador ou patrono de uma classe, profissão, ou arte referindo-se ao produtor, gerador no sentido figurado referindo-se à benevolência e proteção, termo de respeito e honra, governante ou chefe, aparentemente com a ideia de alguém que balbucia um nome de pai). אבת ovot  é um nome masculino que pode significar: ‘Odres, necromante, pessoa que evoca os mortos, fantasma, espírito de um falecido, prática da necromancia, pessoa que tem um espírito familiar]. אבת ovot  é um nome próprio de localidade que significa: ‘Odres de água’. Refere-se a um local indeterminado de um dos acampamentos Yisre’eliym no deserto (talvez na fronteira a leste de Moav).
[49] Bamidbar/Números 33:44  Desfiladeiros desolados na fronteira de Moav. Ou 'cruzamento de senhores' ou 'barreiras desoladas'. Em hebraico temos: עי iy, procedente de [עוה avah, uma raiz que pode significar: ‘Dobrar, torcer, distorcer, ser dobrado, estar curvado, ser torcido, ser pervertido, proceder perversamente, cometer iniquidade, agir erradamente, perverter, agir mal. עוה avah é o seu intensivo abreviado. É um nome feminino que significa: ‘Distorção, ruína] ou um nome masculino também significando: ‘Ruína ou monte de ruínas.
[50] Bamidbar/Números 33:45 – Divon Gad. Este é visto como um lugar de boa sorte. Conforme diz Bereshit/Gênesis 30:“11 Le’ah disse: “Que sorte”! E chamou-o Gad”. Alguns dizem que isto foi em Ribeiro Zered, que é onde chegou ao fim o decreto de que os Yisre’eliym morreriam no deserto por quarenta anos, conforme D'varim/Deuteronômio 2:“14 Foi desta forma que levamos 38 anos para chegar finalmente a atravessar o Ribeiro de Zered, vindos de Kadesh! 15 Pois que o Eterno tinha estipulado que isto não haveria de acontecer antes que todos os homens,16 que trinta e oito anos antes tinham idade de combater, tivessem morrido. 17 E por fim o Eterno disse-me:”. Provavelmente isto ocorreu duas semanas após a morte Aharon, conforme perek/capítulo 33, passuk/versículo 38 Alguns identificam Divon Gad com Vahev ou Mataná. Outros que é Nachaliel, uma corrente cerca de 17 quilômetros ao norte de Arnon.
[51] Bamidbar/Números 33:46 – Almon Divlataimah. Alguns dizem que esse lugar é também em Riacho Zered. Alguns o identificam com Mataná, onde Eshed Nachal, Beer, Mataná e Nachaliel estão, todos na área de Almon Divlataimah. Outros dizem que é Nachali’El ou o lado extremo de Arnon. Esse lugar pode ser relacionado ao Almon descrito em Yehoshua/Josué 21:“18 A tribo de Beniyamin deu-lhes estas quatro cidades mais os seus pastos dos arredores: Gidon, Geva, Anatot e Almom.” ou 'Beit Divlataim em Yirmiyahu/Jeremias 48:“21 Todas as povoações do planalto estão igualmente devastadas, 22 porque o julgamento do Eterno caiu também sobre elas – sobre Holom, Yaza, Mefaat, Divon, Nebo, 23 Beit-Divlataim, Kiriataim, Beit-Gamul, Beit- Meom, Keriot, Bozra e todas as outras localidades da terra de Moav, de perto e de longe.” ou 'Divlah' em Yehesk'El/Ezequiel 6:“14 Minha mão vingadora pesará sobre eles e farei com que, em todas as suas moradas, seja a sua terra mais arrasada que o deserto de Divlah”.
[52] Bamidbar/Números 33:47 – Montanhas Avarim. Citado no perek/capítulo 27, passuk/versículo “12 O Eterno disse a Mosheh: Sobe a montanha Avarim”. Alguns identificam como Matanah ou Bamot.
[53] Bamidbar/Números 33:47 –  Nebo. Em hebraico é 'N'vo'. É onde Mosheh morreu, conforme descrito em D'varim/Deuteronômio 32:“49 Sobe ao monte Nebo, na cordilheira de Abarim, na terra de Moav, defronte de Yericho. Lá do cimo, contempla a terra de Kana’an que Eu dei ao povo de Yisra'El. 50 Depois de olhares para ela, deverás morrer e ir ter com os teus antepassados, tal como aconteceu com Arão, o teu irmão, que morreu no monte Hor e também se foi juntar aos seus”. Verificar acima o perek/capítulo 32, passuk/versículo “38: Nebo, Ba’al Meon – estes nomes haviam sido mudados – e Sivmah. Eles deram a essas cidades os nomes que elas tinham quando foram construídas”.
[54] Bamidbar/Números 33:48 – Planícies ocidentais de Moav no Yarden frente a Yericho. Conforme Bamidbar/Números 22:“1 O povo de Yisra'El  depois passou pelas planícies de Moav e veio acampar ao oriente do rio Yarden, em frente de Yericho”.
[55] Bamidbar/Números 33:49 – Beit HaYeshimot. Alguns a identificam com a 'Desolação' ou com 'Hagai'. Outros dizem que esta é a corrente fluindo da 'Desolação'. Pensa-se que é uma área cerca de 5 quilômetros ao norte do canto nordeste do Mar Morto, possivelmente na corrente de Abu Arava, que podia ser Nachali’El. Alguns notam que Nachali’El, Bamot e Hagai podiam estar nessa área. Considerar a próxima Nota de Rodapé.
[56] Bamidbar/Números 33:49 – Avel Shitim. Ou Planície de Shitim. Alguns dizem que Avel é uma planície desolada. Este é o Shitim mencionado em 25:”1 Enquanto Yisra'El estava acampado em Sitim alguns dos homens do povo começaram a juntar-se com as raparigas moaviy. 2 Estas por sua vez também os convidavam para os sacrifícios aos seus deuses e em breve os homens não só assistiam aos festejos como até já se inclinavam em adoração perante aqueles ídolos.” e foi a última parada antes da travessia do Yarden, conforme Yehoshua/Josué 2:”1 Então Yehoshua enviou dois espiões dali onde se encontrava o campo Yisre’eliy em Sitim, para que passassem o rio e se dessem conta secretamente de qual era a situação no outro lado, especialmente em Yericho. Foi assim que eles vieram ter a uma estalagem dirigida por uma mulher chamada Rachav que era uma meretriz. E resolveram passar ali a noite”. Pode estar relacionado com Avel Mitsraiym em Bereshit/Gênesis 50:“11 Vendo esse pranto na eira de Atad, o povo daquela terra disse: 'Grande pranto é esse dos mitsraiym'! Daí o nome de Avel-Mitsraiym dado a esse lugar, que está situado além do Yarden”. O Talmude nota que Avel Shitim está a 19 quilômetros de Bet HaYeshimot. Pareceria então que os Yisre’eliym estiveram acampados entre o Ribeiro Uyemi, justo ao norte do Mar Morto e a corrente de Abu Aravah, cerca de oito quilômetros ao norte. A planície entre o Yardem e as montanhas do Aravah possui aproximadamente dezenove quilômetros de largura.
[57] Bamidbar/Números 33:52 – Pedras esculpidas. Em hebraico é 'maskit', conforme Vaiykra/Levítico 26:“1Portanto, não façam para vocês falsos elohim. Não ergam para vocês um ídolo de pedra ou pilar sagrado. Não coloquem uma pedra de ajoelhar-se na terra de vocês sobre a qual vocês possam se prostrar. Eu sou o Eterno, Elohim de vocês” ou 'templos'.

HAFTARAH
 Melachim Beit/2ºReis 19:
1 Quando o rei Chizkiyahu ouviu, rasgou suas vestes, cobriu-se com saco e se dirigiu à Casa do Eterno. 2 E enviou Eliyakim[1], o responsável pelo palácio, Shevnah,  escrivão e os anciãos dos kohanim, também cobertos com sacos, ao profeta Yeshaiyahu ben Amots 3 e lhe disseram: ‘Assim disse Chizkiyahu: Este dia é dia de tribulação, repreensão e ultraje, pois chegaram as crianças até o ponto de nascer, mas as parturientes estão sem forças. 4 Talvez, tendo ouvido o Eterno, teu Elohim, as palavras de Ravshake[2], que foi enviado pelo seu senhor, o rei da Assíria, para desafiar o Elohim vivo, Ele decida castiga-lo pelas palavras que o Eterno, teu Elohim, ouviu. Por isto te pedimos que ergas tuas preces em prol dos remanescentes que ainda temos’. 5 Vieram, pois, os servos do rei Chizkiyahu a Yeshayahu 6 e Yeshaiyahu lhes disse: ‘Assim dizei ao vosso senhor: Assim disse o Eterno: “Não temas pelas palavras que ouviste, pois os servos do rei da Assíria blasfemaram contra mim. 7 Eis que porei sobre ele um espírito que o fará ouvir um rumor que o fará voltar à sua própria terra; e farei com que lá, em sua própria terra, ele tombe pela espada”. 8 Retornou então Ravshake e foi encontrar o rei da Assíria, guerreando contra Livnah, pois soubera que partira de Lachish. 9 E ouviu sobre Tirhakah[3], o rei da Etiópia: ‘Ele saiu para lutar contra ti’. Ao ouvi-lo, enviou mensageiros a Chizkiyahu, dizendo: 10 ‘Assim falai a Chizkiyahu, o rei de Yehudah: Não permita o Eterno em Quem confias te engane, dizendo: Yerushalaiym não será  entregue nas mãos do rei da Assíria. 11 Ouviste o que fizeram os reis da Assíria com todas as nações, destruindo-as totalmente e pensas que será poupado? 12 Os elohim das nações as salvaram da destruição trazida por meus ancestrais a Gozan, Charan, Retsef e os filhos de Eden que estavam em Telassar? 13 Onde está o rei de Chamat e o rei de Arpad e os reis das cidades de Sefarvaim, Hena e Ivah’? 14 E Chizkiyahu recebeu, das mãos dos mensageiros, a mensagem que fora enviada e a leu; e dirigiu-se à Casa do Eterno, abrindo-a perante o Eterno. 15 E Chizkiyahu rezou perante o Eterno e disse: ‘Ó Eterno Elohim de Yisra’El, que Te assentas sobre os k’ruvim! Somente Tu és o Elohim de todos os reinos da terra, pois Tu fizeste os céus e a terra! 16 Inclina agora Teu ouvido e escuta, ó Eterno” Abre Teus olhos e vê, ó Eterno e atenta às palavras que Sancheriv mandou para desafiar o Elohim vivo. 17 É verdade, ó Eterno, que os reis da Assíria devastaram todas as nações da terra 18 e jogaram no fogo seus deuses, mas estes não eram deuses, em verdade, mas, sim, o produto do trabalho de mãos humanas, madeira e pedra e por isso foram destruídos. 19 Agora, porém, ó Eterno , nosso Elohim, salva-nos de suas mãos, para que saibam todos os reinos da terra que Tu e somente Tu, és verdadeiramente o Eterno Elohim’! 20 E Yeshaiyahu ben Amots mandou a Chizkiyahu esta resposta: ‘Assim disse o Eterno Elohim de Yisra’El: “Ouvi o que Me pediste referente a Sancheriv, o rei da Assíria. 21 Esta é a Palavra do Eterno concernente a ele: A virgem bem Tsiyon te desprezou e escarneceu de ti! A bat Yerushalaiym meneou sua cabeça, rindo de ti.
22 A Quem insultaste e contra Quem blasfemaste? E contra Quem levantaste tua voz? Sim, para o alto ergueste teu olhar, contra o  Santíssimo de Yisra’El! 23 Por meio dos teus servos provocaste o Eterno e disseste: ‘Com a imensa quantidade de meus carros de combate alcancei o cume das montanhas e os lugares mais remotos do Líbano. E aí cortei os altos cedros e os mais belos ciprestes e galguei alturas inacessíveis, as matas de seus campos frutíferos. 24 Cavei e bebi água e com a sola de meus pés sequei todos os rios dos lugares fortes’. 25 Acaso não ouviste sobre tudo que Eu fiz há muito tempo, no passado? Eu assim dispus e agora o cumpro. De fato, assim está feito. Cidades fortificadas foram reduzidas a montões de ruínas. 26 E seus habitantes foram impotentes, ficando acovardados e confusos. Pareciam-se com a erva do campo, como a erva ainda verde, como a grama dos terraços, como um campo de trigo antes de seu amadurecimento. 27 Eu sei quando sentas, quando sais e quando voltas e sei teu irar-te contra Mim. 28 E porque teu rugido chegou a Meus ouvidos, colocarei Meu anzol em tuas narinas e Minha brida em tua boca e te farei voltar pelo caminho por que vieste. 29 E este será para ti o sinal: Comerás este ano o que cresce por si mesmo e no segundo ano, o que daí brotar e no terceiro ano plantarás e colherás; sim, plantarás vinhedos e comerás de seu fruto. 30 E o remanescente que escapou da Casa de Yehudah voltará a criar raízes para baixo e produzir frutos para o alto. 31 Porque de Yerushalaiym sairá um grupo remanescente e do monte Tsiyon aqueles que sobreviveram; isto será feito pelo zelo de  YHWH Tseva’ot! 32 Portanto, assim disse o Eterno em relação ao rei da Assíria: Ele não chegará a esta cidade, nem contra ela disparará uma flecha, nem se apresentará com escudo, nem contra ela construirá uma rampa. 33 Pelo caminho que veio há de retornar e não entrará nesta cidade – diz o Eterno. 34 Porque defenderei está cidade para salvá-la por Minha própria honra e pela honra de Meu servo David”. 35 Naquela noite o anjo do Eterno veio e feriu no acampamento dos assírios cento e oitenta e cinco mil homens; e ao despertarem pela manhã, não passavam de cadáveres. 36 Então Sancheriv, o rei da Assíria, levantou acampamento e retornou a Nínive. 37 E quando ele orava na casa de Nisroch, seu elohim, Adramelech e Shar’etser, seus filhos, o mataram à espada e fugiram para a terra de Ararat. E seu filho Essar Chadon passou a reinar em seu lugar.   

 Yehesk’El/Ezequiel 6:
1 E a Palavra do Eterno veio a mim, dizendo: 2 “Ó filho do homem! Volta o teu rosto para as montanhas de Yisra’El e profetiza contra elas. 3 Fala-lhes: Ó montanhas de Yisra’El, escutai a Palavra do Eterno Elohim: Assim disse o Eterno Elohim a respeito das montanhas e colinas, dos leitos dos rios e dos vales: Eis que Eu mesmo trarei uma espada contra vós e deitarei por terra vossos altares idólatras. 4 Eles se tornarão uma desolação, serão destruídas vossas imagens do sol e sobre vossos ídolos lançarei vossos mortos. 5 Os cadáveres dos b’nei Yisra’El colocarei aos pés de seus ídolos e seus ossos em torno de seus altares. 6 Onde se erguiam vossas moradas, serão devastadas suas cidades e arrasados os altares idólatras que erigistes em lugares elevados; serão quebradas vossas imagens e desaparecerão vossas obras. 7 Em vosso meio tombarão os que forem mortos pela espada e sabereis, então, que Eu sou o Eterno. 8 Entretanto, preservarei um grupo remanescente, que escapará da espada e ficará disperso entre muitos países. 9 E aqueles de vós que escaparem recordar-se-ão de Mim, mesmo estando entre as nações para onde foram levados em cativeiro, conscientes de Minha angústia, causada pela infidelidade de seu coração, que se apartou de Mim e pela busca de ídolos após os quais se voltaram vossos olhos. E odiarão a si mesmos por todo o mal que cometeram, praticando suas abominações
10 e saberão que Eu sou o Eterno e que não foram vãs as palavras com que anunciei o mal que lhes adviria”. 11 Assim disse o Eterno Elohim: “Fere com a tua mão e golpeia com teu pé o solo e diz: Ai deles! Por causa da maldade da Casa de Yisra’El cairão pela espada, pela fome e pela peste. 12 O que estiver distante morrerá atingido pela peste e o que estiver perto, pela espada há de cair; o que sobreviver será sitiado e pela fome morrerá. Assim farei com que sobre eles recaia Minha ira. 13 Reconhecereis que Eu sou o Eterno, quando vossos mortos à espada estiverem caídos em volta dos altares de vossos ídolos, que se erguiam sobre cada colina, em cada cume de montanha, debaixo das árvores frondosas e sob cada terebinto espesso, onde lhes queimavas incenso. 14 Minha mão vingadora pesará sobre eles e farei com que, em todas as suas moradas, seja sua terra mais arrasada que o deserto de Divlah; e assim saberão que Eu sou o Eterno.

 Chavakuk/Habacuque 3:
1 Uma prece de Chavakuk, o profeta, a respeito dos erros. 2 Ó Eterno, ouvi Tua Palavra sobre o exílio eminente e fiquei atemorizado! Ó Eterno, mantém sempre viva Tua obra ao longo dos anos! No correr do tempo torna-a reconhecida e mesmo em Tua ira, lembra-Te de ser misericordioso! 3 Elohim veio do sul; do monte Paran veio o eternamente Santíssimo! Sua glória cobriu os céus e Seu louvor preencheu toda a terra. 4 Seu resplendor brilhou como a luz do dia; raios de luz vieram de Sua mão para Yisra’El e Seu poder incomensurável Se revelou. 5 Pragas caminharam à Sua frente e lampejos de fogo marcaram Sua passagem. 6 Ele parou e mediu a extensão da terra; com seu olhar dispersou as nações, esmagou montanhas, aplainou colinas, pois Seus são todos os recantos da terra.
7 Por causa de iniquidade, vejo aflitas as tendas de Kushan[4] e a tremer as cortinas da terra de Midian! 8 Acaso o Eterno estaria irado contra os rios? Estaria Seu furor contra os rios ou Sua fúria contra o mar? Ele cavalga sobre Seus corcéis trazendo a carruagem de nossa salvação. 9 Teu arco se descobriu: As promessas feitas às tribos são eternamente verdadeiras! Abriste a terra formando rios. 10 As montanhas estremeceram ante Tua presença e deixaram fluir uma corrente de água; as profundezas levantaram sua voz e o alta dos céus, suas mãos. 11 O sol e a lua se detiveram em suas moradas; à luz de Tuas setas e sob o fulgor de Tua reluzente lança, se moveram. 12 Marchaste pela terra com indignação; trilhaste as nações em Tua ira. 13 Vieste para livrar a Teu povo, para salvar a Teu ungido; esmagaste a casa dos malévolos deixando-a exposta, da fundação até suas torres, para sempre. 14 Com Tuas próprias setas transpassaste as cabeças das tropas que vieram me assaltar; eles se regozijariam se conseguissem devorar secretamente a nação aflita. 15 Tu os esmagaste no mar, fazendo desabar sobre eles Tuas nuvens em montanhas de água. 16 Ouvi o que se passou e estremeceu todo o meu corpo e vibraram meus lábios ante o som da Tua voz; meus ossos parecem apodrecer e tremo sem me mover do lugar onde estou, porque o tempo que eu pensava ser para meu repouso, tornar-se-á um dia de desespero, por causa do povo cujas tropas nos virão invadir. 17 Mas ainda que não floresça a figueira nem haja fruto na videira e ainda que falte o fruto da oliveira e os campos não dêem alimento e o rebanho seja cortado do redil e não haja mais gado nas baias, 18 eu me alegrarei no Eterno e me exaltarei no Elohim da minha salvação! 19 O Eterno Elohim é a minha força! Ele fará meus pés terem a agilidade dos cervos e me fará escalar as alturas. Para o condutor com minhas melodias.  

[1] Melachim Beit/2ºReis 19:2 – Eliyakim. Em hebraico temos: אליקים Elyakiym, procedente de אל El, forma contraída de [איל ail, procedente do mesmo que (אול ul, significando torcer, i.e. por implicação, ‘ser forte’; proeminência, corpo, barriga no sentido de ‘insolente’, nobres, homens ricos). איל ail pode significar: ‘Carneiro, carneiro como alimento, carneiro como sacrifício, carneiro como pele tingida de vermelho para o tabernáculo, pilares, verga, umbrais, pilastra, homem forte, líder, chefe, árvore grande, terebinto)]. Em grego é: ηλι e ελιουδ. Pode ser uma referência a Elohim, semelhante a um falso deus, poderoso, homens poderosos, homens de posição, valentes poderosos, anjos, demônios, imaginações. O uso correto é como referência ao Eterno, o único El verdadeiro, YHWH. Pode fazer menção a coisas poderosas na natureza, força, poder) e (קום kum, uma raiz que pode significar: ‘Levantar, erguer, permanecer de pé, ficar de pé, pôr-se de pé, levantar-se no sentido hostil, levantar-se no sentido de  tornar-se poderoso, entrar em cena, estar de pé, manter-se, ser estabelecido, ser confirmado, permanecer, resistir, estar fixo, ser válido – diz-se de um voto – , ser provado, está cumprido, persistir, estar parado, estar fixo, cumprir, confirmar, ratificar, estabelecer, impor, erguer, levantar-se, erguer-se, levar a levantar, erguer, levantar, erigir, edificar, construir, trazer à cena, despertar, provocar, instigar, investigar, constituir, fazer ficar em pé, pôr, colocar, estabelecer, tornar obrigatório, realizar, levar a efeito, ser levantado). Em grego é ελιακειμ. É um nome próprio masculino que, em português, é grafado como ‘Eliaquim’ significando 'O Eterno ergue' ou 'O Eterno levanta'. Refere-se ao filho de Hilquias, administrador da casa e bens de Chizkiyahu/Ezequias ou a um filho de Yoshiyah, entronizado por faraó ou  um sacerdote que auxiliou Nehemiah/Neemias.

[2] Melachim Beit/2ºReis 19:4 – Ravshake. Em hebraico temos: רבשקה Ravshakeh, procedente de רב rav, forma contraída procedente de (רבב ravav, uma raiz que pode significar: ‘Ser ou vir a ser muitos, ser ou tornar-se muito, ser ou tornar-se grande, ser longo referindo-se a viagem, dez milhares). Em grego é ραββιרב rav pode significar: ‘Muito, muitos, grande, abundante, mais numeroso que, bastante, forte, maior que, excessivamente. É um nome masculino que também pode significar: ‘Capitão, chefe) e (שקה shakah, uma raiz que pode significar: ‘Dar de beber, irrigar, beber, regar, levar a beber água, ser regado, variante)8248. Enfim, רבשקה Ravshakeh é um nome masculino que se refere ao copeiro mor, chefe dos oficiais? Em português pode ser grafado como ‘Rabsaquê’. Em Bíblias menos influenciadas pelo imaginário ocidental pode ser encontrado como ‘Rabshak’.

[3] Melachim Beit/2ºReis 19:9 – Tirhakah. Em hebraico é: תרהקה Tirhakah, de origem estrangeira. É um nome próprio masculino que em português, respeitado o transliterado, é grafado como ‘Tiraca’ significando 'ele sondou o piedoso: ele sondou o serviçal'. Refere-se ao rei da Etiópia e do Egito na época de Senaqueribe (סנחריב Sancheriv, de origem estrangeira. É um nome próprio masculino que, em português, respeitado o transliterado, é grafado como ‘Senaqueribe’ significando 'Sin multiplicou irmãos' (Sin = a lua). Refere-se ao filho de Sargon, pai de Esar-Hadom e rei da Assíria de 705-681 a.E.C. Atacou Yehudah durante o reinado do rei Chizkiyahu/Ezequias e Yehudah foi libertada quando um anjo matou 185.000 soldados assírios em resposta à oração de Chizkiyahu/Ezequias).

[4] Chavacuk/Habacuque 3:7 – Kushan. Em hebraico encontramos: כושן Kushan, talvez procedente de [Kush, provavelmente de origem estrangeira. Em português: Cuxe ou Etiópia ou etíopes significando 'negro' . É um nome próprio masculino que pode significar: ‘Um benyamiy mencionado somente no título do Tehilim/Salmos 7:1 ou  o filho de Cham e neto de Noach, o progenitor dos povos localizados no extremo sul da África ou  os povos descendentes de Cuxe. Um nome próprio de localidade que pode se referir a:  terra ocupada pelos descendentes de Cuxe, localizada nas regiões sul do Nilo (Etiópia)]. É também um nome próprio de localidade que significa  'sua escuridão'. Refere-se a um lugar na Arábia ou Mesopotâmia, mas de localização desconhecida. Curiosamente temos כושן רשעתים Kushan Rish atayim, aparentemente procedente de Kushan e o dual de רשעה rishah, procedente de רשע resha, por sua vez procedente de רשע rasha, uma raiz que pode significar: ‘Ser ímpio, agir impiamente, ser culpado, ser condenado, condenar como culpado em questões civis, condenar como culpado em questões éticas ou religiosas, agir impiamente na ética ou na religião. כושן רשעתים Kushan Rish atayim  é um nome masculino que significa ‘ erro, perversidade, culpa, perversidade como violência e crime contra a lei civil, perversidade referindo-se aos inimigos, perversidade em relações éticas. É também um nome feminino com os mesmos significados, tais como: ‘Perversidade, culpa, perversidade em questões civis, perversidade referindo-se aos inimigos, impiedade ética e religiosa). kushan-Risataim é igual a 'kushan duplamente iníquo'. Refere-se a um rei da Mesopotâmia derrotado pelo juiz e genro de Kalev, Otni’El.

SHIRIM U'CHOCHMAH
Kohelet/Eclesiastes 8:
9 Percebi tudo isto e minha mente procurou compreender tudo que sob o sol acontece. Vi que, às vezes, um homem governa sobre outro só para seu próprio mal. 10 Vi iníquos que, em paz, foram enterrados, sucedidos por seus filhos, enquanto justos que se foram são esquecidos na cidade onde aplicaram sua justiça. Como também isto é frustrante! 11 Como a sentença sobre os feitos malévolos não se cumpre com presteza, o coração dos filhos dos homens é encorajado a praticar o mal. 12 Embora o transgressor pratique o mal cem vezes e mesmo assim receba uma extensão para seus dias, sei que bem haverá para os que temem a Elohim, exatamente porque O temem. 13 Não haverá bem pra o malévolo, nem muito há de durar, deslizando como uma sombra pela vidapor não temer o Eterno. 14 Uma frustração ocorre na terra: Às vezes, ao justo acontece o que lhe caberia se malévolas fossem todas as suas ações e aos iníquos advêm recompensas como se praticassem os feitos dos justos. Afirmo que também isto é vão e frustrante! 15 Louvei, portanto, a alegria e o regozijo, pois nada há de melhor para o homem do que comer, beber e alegrar-se em sua contínua labuta sob o sol, por todos os dias da vida que, sob o sol, Elohim lhe concedeu. 16 Quando dediquei meu coração a buscar sabedoria e a observar todas as atividades que na terra ocorrem, sem que, dia e noite, permitisse sono a meus olhos, 17 percebi a grandeza da obra de Elohim. Na verdade, o homem não consegue se aprofundar nos eventos que na terra ocorrem, ainda que os pesquise extenuadamente. Ainda que o sábio presuma tudo conhecer, ele não consegue atingir a essência do conhecimento. 

SHIR MIZMOR
Tehilim/Salmos 120:
1 Um cântico de ascensão. Em minha angústia clamei ao Eterno e Ele me atendeu. 2 Livra minha alma, ó Eterno, de lábios mentirosos e línguas enganadoras. 3 O que ganharás e o que Te será acrescido por teres uma língua enganadora? 4 Calúnias são como as flechas aguçadas dos guerreiros, que transportam brasas vivas. 5 Ai de mim, que tive que peregrinar em Meshech e habitar nas tendas de Kedar. 6 Minha alma, por bastante tempo, teve que morar entre os que odeiam a paz. 7 Não quero a guerra, mas mesmo quando lhes falo de paz eles preferem a guerra.
Bom estudo e Shabat Shalom!

Nenhum comentário:

Postar um comentário