sexta-feira, 21 de junho de 2013

CICLO TRIENAL - SEDRAH 115 (Semana de 16 a 22 de junho/2013)

Torah: Bamidbar/Números 25:1 - 26:56 
Tema: As prostitutas de Mo'av e o zelo de Pinchás (Finéias); Recenseamento do Povo
Haftarah: Yermiyahu/Jeremias 10; Yechesk'el/Ezequiel 17; Osheah/Oséias 8; Dani'el/Daniel 3
Tema(s): Ira contra a idolatria; Ilustração da águia; Contra Efrayim; Os jovens na fornalha
Shirim U’Chochmah: Kohelet/Eclesiastes 5:7-19
Tema: O cuidado com as riquezas
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 115
Tema: O socorro de Yisra'El/Israel

T
ORAH
Bamidbar/Números 25:
Israel em Peor 1 Israel estabeleceu-se em Shitim/Setim. O povo se entregou à prostituição com as filhas de Moab. 2 Estas convidaram o povo para o sacrifício dos seus deuses; o povo comeu e prostrou-se diante dos seus deuses. 3 Estando Israel assim ligado com o Baal de Fegor, a ira do Eterno se inflamou contra Israel. 4 O Eterno disse a Mosheh: "Toma todos os chefes do povo. Enforca-os ao Senhor, à luz do sol: então a ira ardente do Eterno se afastará de Israel." 5 Mosheh disse aos juízes de Israel: "Mate cada dos seus homens que se ligaram ao Baal de Fegor." 6 Eis que chegou um homem dos filhos de Israel, trazendo para junto de seus irmãos esta madianita, sob os próprios olhos de Mosheh e de toda a comunidade dos filhos de Israel, que choravam à entrada da Tenda da Reunião. 7 Vendo isso, Pinchas/Finéias, filho de Eleazar, filho de Aharon/Aarão, o cohen, levantou-se do meio da comunidade, tomou uma lança, 8 seguiu o filho de Israel até à alcova e lá transpassou-o, pelo ventre, juntamente com a mulher. E a praga que feria os filhos de Israel cessou. 9 E morreram dentre eles vinte e quatro mil, devido à praga. 10 O Eterno falou a Mosheh e disse: 11"Pinchas/Finéias, filho de Eleazar, filho de Aharon/Arão, o sacerdote, fez cessar a minha ira contra os filhos de Israel, porque, entre eles, foi possuído do mesmo zelo que eu, por isso, no meu zelo não destruí os filhos de Israel. 12 Por essa razão eu afirmo: Dou-lhe a minha aliança de paz. 13 Será para ele e para sua descendência depois dele uma aliança que lhe garantirá o sacerdócio perpétuo. Em recompensa do seu zelo pelo seu Elohim, poderá realizar o rito de expiações pelos filhos de Israel." 14 O filho de Israel morto (foi morto com a madianita) se chamava Zambri/Zinri, filho de Shalu/Salu, príncipe de uma casa patriarcal de Simeon/Simeão. 15 A mulher, a madianita que foi morta, se chamava Cozbi, filha de Sur, que era chefe de um clã, de uma casa patriarcal, em Madiã. 16 O Eterno falou a Mosheh e disse: 17 "Tratai os madianitas como inimigos e feri-os. 18 Pois foram eles que vos trataram como inimigos, por seus artifícios contra vós, no caso de Peor, e no problema de Cozbi, irmã deles, filha de um príncipe de Madiã, aquela que foi morta no dia da praga surgida devido ao problema de Peor."

Bamidbar/Números 26:
O recenseamento — 1 Depois dessa praga, O Eterno falou a Mosheh e a Eleazar, filho de Aharon, o cohen/sacerdote. Disse: 2 "Fazei o recenseamento de toda a comunidade dos filhos de Israel, segundo suas casas patriarcais: todos aqueles que têm de vinte anos para cima, aptos para o serviço militar em Israel." 3 Portanto, Mosheh e Eleazar, o sacerdote, os recensearam, nas estepes de Mo'av, junto do Yarden/Jordão, em direção a Yerichoh/Jericó. 4 (Conforme O Eterno ordenou a Mosheh e aos filhos de Israel, quando saíram da terra de Mitzrayim/Egito.) Homens de vinte anos para cima: 5 Reuven/Rúben, primogênito de Israel. Os filhos de Reuven/Rúben: de Chanoch/Henoc, o clã henoquita; de Palu, o clã paluíta; 6 de Hesron, o clã hesronita; de Carmi, o clã carmita. 7 Esses eram os clãs rubenitas. Formavam o total de quarenta e três mil e setecentos e trinta recenseados. 8 Os filhos de Palu: Eliab. 9 Os filhos de Eliab: Nemuel, Datan/Datã e Aviram/Abirão. Estes são Datan e Aviram, homens de destaque na comunidade, que se sublevaram contra Mosheh e Aharon; estavam na companhia de Corach/Coré quando este se rebelou contra O Eterno. 10 A terra abriu a boca e os devorou (assim como Corach, pereceu igualmente este grupo), quando o fogo consumiu os duzentos e cinqüenta homens. Foram eles um sinal. 11 Os filhos de Corach, contudo, não pereceram. 12 Os filhos de Shimeon/Simeão, segundo os seus clãs: de Nemuel, o clã nemuelita; de Yamin/Jamin, o clã yaminita; de Yachin, o clã yachinita; 13 de Zerah/Zara, o clã zeraíta; de Shaul, o clã shaulita. 14 Esses, eram os clãs simeonitas. Formavam o total de vinte e dois mil e duzentos recenseados. 15 Os filhos de Gad, segundo seus clãs: de Zefon/Sefon, o clã sefonita; de Hagi/Agi, o clã hagita; de Suni, o clã sunita; 16 de Ozni, o clã oznita; de Heri, o clã herita; 17 de Arod, o clã arodita; de Areli, o clã arelita. 18 Esses eram os clãs dos filhos de Gad. Formavam o total de quarenta mil e quinhentos recenseados. 19 Os filhos de Yehudah/Judá: Her e Onan/Onã. Her e Onã morreram na terra de Canaã. 20Dos filhos de Judá, saíram os clãs: de Shelah/Sela, o clã selaíta; de Perez, o clã parezita; de Zerah/Zerá, o clã zeraíta. 21 Os filhos de Perez foram: de Hesron, o clã hesronita; de Hamul, o clã hamulita. 22 Esses foram os clãs de Yehudah/Judá. Formavam o total de setenta e seis mil e quinhentos recenseados. 23 Os filhos de Isachar/Issacar, segundo seus clãs: de Tolah, o clã tolaíta; de Puah, o clã puaíta; 24 de Yashub/Jasub, o clã yasubita; de Semron, o clã semronita. 25 Esses eram os clãs de Isachar. Formavam o total de sessenta e quatro mil e trezentos recenseados. 26 Os filhos de Zevulum/Zabulon, segundo seus clãs: de Shared, o clã saredita; de Elon, o clã elonita; de Yalel/Jalel, o clã yalelita. 27 Esses eram os clãs de Zevulum. Formavam o total de sessenta mil e quinhentos recenseados. 28 Os filhos de Yossef/José, segundo seus clãs: Menasheh/Manassés e Efraim. 29 Os filhos de Menasheh: de Maquir, o clã maquirita; e Maquir gerou a Galaad; de Galaad, o clã galaadita. 30 Estes são os filhos de Galaad: de Jezer, o clã jezerita; de Helec, o clã helequita; 31 Asriel, o clã asrielita; Siquém, o clã siquemita; 32 Semida, o clã semidaíta; Héfer, o clã hefrita. 33 Salfaad, filho de Héfer, não teve filhos, mas apenas filhas; estes são os nomes das filhas de Salfaad: Maala, Noa, Hegla, Melca e Tersa. 34 Esses eram os clãs de Menasheh. Formavam o total de cinqüenta e dois mil e setecentos recenseados. 35 Estes são os filhos de Efraim, segundo os seus clãs: de Sutala, o clã sutalaíta; de Bequer, o clã bequerita; de Teen, o clã teenita. 36 Estes são os filhos de Sutala: de Herã, o clã heranita. 37 Esses eram os clãs de Efraim. Formavam o total de trinta e dois mil e quinhentos recenseados. Esses eram os filhos de José, segundo os seus clãs. 38 Os filhos de Benjamim, segundo seus clãs: de Bela, o clã belaíta; de Asbel, o clã asbelita; de Airam, o clã airamita; 39 de Sufam, o clã sufamita; de Hufam, o clã hufamita. 40 Bela teve os filhos Ared e Naamã: de Ared, o clã aredita; de Naamã, o clã naamanita. 41 Esses eram os filhos de Benjamim, segundo os seus clãs. Formavam o total de quarenta e cinco mil e seiscentos recenseados. 42 Estes são os filhos de Dan, segundo seus clãs: de Suam, o clã suamita. Esses eram os filhos de Dan, segundo os seus clãs. 43 Todos os clãs suamitas formavam o total de sessenta e quatro mil e quatrocentos recenseados. 44 Os filhos de Asher, segundo os seus clãs: de Jemna, o clã jemnaíta; de Jessui, o clã jessuíta; de Beria, o clã beriaíta. 45 Dos filhos de Beria: de Heber, o clã heberita; de Melquiel, o clã melquielita. 46 O nome da filha de Asher era Sara. 47 Esses eram os clãs dos filhos de Asher. Formavam o total de cinqüenta e três mil e quatrocentos recenseados. 48 Os filhos de Neftali, segundo os seus clãs: de Jasiel, o clã jasielita; de Guni, o clã gunita; 49 de Jeser, o clã jeserita; de Selém, o clã selemita. 50 Esses eram os clãs de Neftali, repartidos segundo seus clãs. Os filhos de Neftali formavam o total de quarenta e cinco mil e quatrocentos recenseados. 51 Os filhos de Israel eram, portanto, seiscentos e um mil, setecentos e trinta recenseados. 52 O Eterno falou a Mosheh e disse: 53 "A estes a terra será distribuída em herança, segundo o número dos inscritos. 54 Àquele que tem um número maior tu darás uma propriedade maior e àquele que tem um número menor tu darás uma propriedade menor; a cada um a sua herança, em proporção ao número dos seus recenseados. 55 Todavia, a divisão da terra se fará por meio de sortes. Segundo o número dos nomes das tribos patriarcais, se receberá a herança; 56 a herança de cada tribo será repartida por sortes, tendo em conta o maior ou menor número."

Yirmiyahu/Jeremias 10:
Ídolos e o verdadeiro Elohim — 1Escutai a palavra que vos fala O Eterno, ó casa de Israel! 2 Assim disse O Eterno: Não aprendais o caminho das nações, não vos espanteis com os sinais do céu, ainda que as nações se espantem com eles. 3 Sim, os costumes dos povos são vaidade, apenas madeira cortada da floresta, obra da mão de um artista com o cinzel. 4 Eles a enfeitam com prata e ouro. Com pregos e com martelos a firmam, para que não vacile. 5 Eles são um espantalho em um campo de pepinos. Eles não podem falar; devem ser carregados, porque não podem caminhar! Não tenhais medo deles, porque não podem fazer o mal e nem o bem tampouco. 6 Ninguém é como Tu, Eterno, Tu és grande, Teu Nome é grande em poder! 7 Quem não te temerá, rei das nações? Porque isto Te é devido! Porquanto, entre todos os sábios das nações e em todos os seus reinos, ninguém é como Tu! 8Eles todos são ignorantes e insensatos: o ensinamento das vaidades é madeira! 9 Prata batida, importada de Társis e ouro de Ofir, obra de um escultor e das mãos de um ourives; sua veste é púrpura violeta e escarlate, tudo obra de mestres. 10 Mas O Eterno é um Elohim verdadeiro, Ele é um Elohim Vivo e Rei Eterno. Diante de Sua ira a terra treme e as nações não podem suportar o Seu furor. 11 (Assim vós lhes falareis: "os elohim que não criaram o céu e a terra desaparecerão da terra e de debaixo dos céus".) 12 Ele fez a terra por Sua potência, por Sua sabedoria estabeleceu o mundo e por Sua inteligência estendeu os céus. 13 Quando Ele faz ressoar o trovão, há um bramido de águas no céu; Ele faz subir as nuvens do extremo da terra, produz os raios para a chuva e faz sair o vento de seus depósitos. 14 Então todo homem se torna estúpido, sem compreender, todo ourives se envergonha dos ídolos, porque o que ele fundiu é mentira, não há sopro neles! 15 São vaidade, obra ridícula; no tempo de seu castigo, eles desaparecerão. 16 A Porção de Ya'akov/Jacó não é como eles, porque Ele é o que formou o universo, e Israel é a tribo de Sua herança. Eterno dos Exércitos é o Seu Nome.
Pânico na terra
17 Recolhe da terra a tua bagagem, tu que te encontras sitiada! 18 Porque assim disse O Eterno: Eis que, desta vez, vou expulsar os habitantes da terra, e afligi-los, para que eles me encontrem. 19 — "Ai de mim por causa de minha ferida! É incurável o meu ferimento Mas eu dizia: É só isto o meu sofrimento? Eu o suportarei! 20A minha tenda está devastada e todas as minhas cordas estão cortadas. Meus filhos deixaram-me: eles não existem mais; não há ninguém que possa estender novamente a minha tenda e levantar a lona". 21— Porque os pastores foram estúpidos, eles não procuraram O Eterno. Por isso não tiveram sucesso, e todo o rebanho foi disperso. 22 Atenção: Uma notícia, eis que ela chega! Um grande ruído vem da terra do Norte para transformar as cidades de Yehudah/Judá em solidão, em um covil de chacais. 23 Eu sei, Eterno, que não pertence ao homem o seu caminho, que não é dado ao homem que caminha dirigir os seus passos! 24 Corrige-me, Eterno, mas em justa medida, não em tua ira, para que não me tornes pequeno demais. 25 Derrama o Teu furor sobre as nações que não Te conhecem, e sobre as famílias que não invocam o Teu nome. Porque elas devoraram Ya'akov/Jacó, devoraram-no e acabaram com ele, elas devastaram o seu território.

Yechesk'el/Ezequiel 17:
Alegoria da águia — 1 A palavra do Eterno me foi dirigida nestes termos: 2 Filho do homem, propõe à casa de Israel um enigma, sugere-lhe uma parábola. 3 Eis o que deves dizer-lhe: Assim fala O Eterno Elohim: A grande águia de grandes asas, de larga envergadura, coberta de uma rica plumagem, veio ao Líbano e apanhou o cimo de um cedro; 4 colhendo o mais alto dos seus ramos, trouxe-o para a terra dos mercadores, onde o depôs em uma cidade de negociantes. 5 Em seguida apanhou uma dentre as sementes da terra e a plantou em uma terra preparada, junto a uma corrente de águas abundantes, plantando-a como um salgueiro. 6 Ela brotou e transformou-se em uma videira luxuriante, embora de estatura modesta, com a sua copa voltada para a águia, enquanto as suas raízes estavam debaixo dela. Tornou-se assim uma vinha, produziu sarmentos e lançou renovos. 7 Ao lado desta, existiu outra grande águia, também de grandes asas e de plumagem abundante. Prontamente a videira estendeu para ela as suas raízes, voltou para ela a sua copa desde o canteiro em que estava plantada, a fim de que esta a regasse. 8 Estava plantada em um campo fértil, junto a águas abundantes, para formar ramos e produzir frutos, tornando-se uma videira magnífica. 9 Dize- lhe que assim fala O Eterno Elohim: Acaso vingará? Acaso a águia não arrancará as suas raízes? Não estragará os seus frutos, fazendo secar todos os seus brotos novos, de modo que não haja necessidade de braço forte e de muita gente para arrancá-la pelas raízes? 10 Ei-la que está plantada; vingará ela? Acaso ela não murchará ao toque do vento oriental, no mesmo canteiro em que brotou? 11 Então a palavra do Eterno me foi dirigida nestes termos: 12 Assim falarás a essa casa de rebeldes: "Por acaso não sabeis o que significam estas coisas?". Dize mais. Como sabeis, o rei de Bavel/Babilônia veio a Yerushalayim/Jerusalém, tomou o seu rei e os seus príncipes, conduzindo-os para Bavel. 13 Dentre os descendentes da casa real tomou um e fez uma aliança com ele, obrigando-o a prestar juramento e levando consigo os grandes da terra, 14 a fim de que o reino permanecesse submisso, incapaz de rebelar-se e, por isso, disposto a cumprir a aliança, observando-a com fidelidade. 15 Mas este príncipe acabou por rebelar-se, enviando mensageiros ao Egito, a fim de que este lhe fornecesse cavalos e gente em grande número. Por acaso terá êxito? Por acaso escapará aquele que faz tais coisas? Escapará, apesar de violar a aliança? 16 Por minha vida — oráculo do Eterno Elohim — certamente ele morrerá na terra do rei que lhe deu o trono, cujo juramento desprezou e cuja aliança violou, isto é, morrerá na Babilônia. 17 Quanto ao Faraó, mesmo com o seu grande exército, com as suas tropas imensas, não conseguirá salvá-lo pela guerra, embora levante trincheiras e construa fortalezas para a destruição de tantas vidas humanas. 18 Sim, ele desprezou o juramento e violou a aliança. Depois de assumir um compromisso, fez tudo isso! Ele não escapará. 19 Portanto, assim diz o Eterno Elohim: Por minha vida o afirmo: certamente farei cair sobre a sua cabeça o meu juramento, que ele desprezou e a minha aliança, que ele violou. 20 Estenderei sobre ele a minha rede e ele será apanhado nas minhas malhas e conduzido por mim à Babilônia, onde o submeterei a julgamento em virtude da sua infidelidade para comigo. 21 Quanto à elite das suas tropas, toda ela cairá à espada e os seus sobreviventes serão espalhados para todos os ventos. Então sabereis que eu, O Eterno, é que falei. 22 Assim diz O Eterno Elohim: Tomarei do cimo do cedro, da extremidade dos seus ramos um broto e plantá-lo-ei eu mesmo sobre um monte alto e elevado. 23 Plantá-lo-ei sobre o alto monte de Israel. Ele deitará ramos e produzirá frutos, tornando-se um cedro magnífico, de modo que à sua sombra habitará toda espécie de pássaros, à sombra dos seus ramos habitará toda sorte de aves. 24 E saberão todas as árvores do campo que eu, O Eterno, é que abaixo a árvore alta e exalto a árvore baixa, que seco a árvore verde e faço brotar a árvore seca. Sim, Eu, O Eterno, o disse e o faço.

Osheah/Oséias 8:
Alarme — 1 Põe em tua boca a trombeta! Como uma águia cai a desgraça sobre a Casa do Eterno, porque eles transgrediram a Minha aliança e se rebelaram contra a Minha Torah/Lei. 2 Eles clamam a mim: "Meu Elohim, nós, Israel, te conhecemos" 3 Israel rejeitou o bem, o inimigo o perseguirá.
Anarquia política e idolatria 4 Eles instituíram reis sem o Meu consentimento, escolheram príncipes, mas eu não tive conhecimento. De sua prata e de seu ouro fizeram ídolos para si, para que sejam destruídos. 5 Rejeitei o teu bezerro, Shom'rom/Samaria! Minha ira inflamou-se contra eles. Até quando serão incapazes de pureza? 6 Porque ele é de Israel, um artista o fez, ele não é Elohim. Sim, o bezerro de Shom'rom será desfeito em pedaços! 7 Porque semeiam vento, colherão tempestade! Haste sem espiga, que não produz farinha; mas mesmo que produza, estrangeiros a devorarão—
Israel perdido por apelar ao estrangeiro 8 Israel foi devorado. Agora estão entre as nações como um objeto sem valor! 9 Quando eles subiram à Assíria, Efraim, um asno selvagem solitário, contratou amantes para si. 10 Ainda que eles os contratem entre as nações, eu os reunirei agora, e eles tremerão em breve sob o peso do rei dos príncipes.
Contra o culto puramente exterior
11 Sim, Efraim multiplicou os altares para fazer expiação, mas os altares foram para ele ocasião de pecar. 12 Ainda que eu lhe escreva um grande número de minhas leis, elas são consideradas como algo estranho. 13 Eles oferecem os sacrifícios que amam, comem a carne, mas O Eterno não os aceitará. Agora Ele se lembrará de suas faltas e castigará os seus pecados: eles voltarão ao Egito. 14 Israel esqueceu Aquele que os fez e construiu palácios. Yehudah/Judá multiplicou as cidades fortificadas. Mas eu mandarei fogo sobre suas cidades, o qual consumirá as suas cidadelas.

Dani'El/Daniel 3:
Nabucodonosor levanta uma estátua de ouro — 1 O rei Nabucodonosor mandou fazer uma estátua de ouro com a altura de sessenta côvados e a largura de seis, e levantou-a na planície de Dura, na província de Babilônia. 2 A seguir o rei Nabucodonosor ordenou aos sátrapas, magistrados, governadores, conselheiros, tesoureiros, juízes e juristas, e a todas as autoridades da província, que se reunissem e estivessem presentes à cerimônia de inauguração da estátua erigida pelo rei Nabucodonosor. 3 Então reuniram-se os sátrapas, magistrados, governadores, conselheiros, tesoureiros, juízes e juristas, e todas as autoridades da província, para a inauguração da estátua que o rei Nabucodonosor havia levantado, e permaneceram de pé diante da estátua erigida pelo rei Nabucodonosor. 4 O arauto proclamava em alta voz: "Povos, nações e línguas, eis a ordem que vos é dada: 5 no instante em que ouvirdes soar a trombeta, a flauta, a cítara, a sambuca, o saltério, a flauta dupla e toda espécie de instrumentos musicais, devereis prostrar-vos para adorar a estátua de ouro erigida pelo rei Nabucodonosor. 6 Aquele que não se prostrar e não adorar será imediatamente atirado a uma fornalha acesa!" 7 Assim, no momento em que todos os povos ouviram o som da trombeta, da flauta, da cítara, da sambuca, do saltério, da flauta dupla e de toda espécie de instrumentos musicais, prostraram-se todos os povos, nações e línguas, adorando a estátua de ouro levantada pelo rei Nabucodonosor.
Denúncia e condenação dos yehudim/judeus — 8 Entretanto, alguns caldeus se aproximaram para denunciar os yehudim. 9 E, pedindo a palavra, disseram ao rei Nabucodonosor: "Ó rei, vive para sempre! 10 Tu, ó rei, promulgaste um decreto pelo qual todo homem que ouvisse o som da trombeta, da flauta, da cítara, da sambuca, do saltério, da flauta dupla e de toda espécie de instrumentos musicais devia prostrar-se e render culto de adoração à estátua de ouro, 11 e todos os que não se prostrassem e se recusassem a adorar seriam precipitados na fornalha acesa. 12 Ora, aí estão alguns judeus, a quem confiaste a administração da província de Bavel, a saber, Sadraque, Mesaque e Abdênago. Esses homens não tomaram conhecimento do teu decreto, ó rei: não servem a teu elohim e não adoram a estátua de ouro que levantaste". 13 Então, ardendo em cólera, Nabucodonosor ordenou que lhe trouxessem à presença Sadraque, Mesaque e Abdênago. Conduzidos esses homens imediatamente perante o rei, 14 disse-lhes Nabucodonosor: "É verdade, ó Sedraque, Mesaque e Abdênago, que não servis a meus elohim e não rendeis adoração à estátua de ouro que eu erigi? 15 Pois bem. Estais prontos, ao ouvirdes o som da trombeta, da flauta, da cítara, da sambuca, do saltério, da flauta dupla e de toda espécie de instrumentos de música, a vos prostrar e a render culto de adoração à estátua que fiz? Se não a adorardes, sereis imediatamente precipitados na fornalha acesa. E qual é o elohim que poderia livrar-vos das minhas mãos?" 16 Em resposta, disseram Sedraque, Mesaque e Abdênago ao rei Nabucodonosor: "Não há necessidade alguma de replicar-te neste assunto. 17 Se assim for, o nosso Elohim, a quem servimos, tem o poder de nos livrar da fornalha acesa e nos livrará também, ó rei, da tua mão. 18 Mas se Ele não o fizer, fica sabendo, ó rei, que não serviremos o teu elohim, nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste". 19 Então Nabucodonosor encheu-se de cólera, e a expressão do seu rosto alterou-se contra Sedraque, Mesaque e Abdênago. E, tomando a palavra, deu ordem para que se aquecesse a fornalha sete vezes mais que de costume. 20 Depois ordenou aos homens mais fortes do seu exército que amarrassem Sedraque, Mesaque e Abdênago e os precipitassem na fornalha acesa. 21 Eles foram, pois, amarrados com suas túnicas, seus calções, seus barretes e suas outras vestes, e arremessados à fornalha acesa. 22 Entretanto, porque a ordem do rei era peremptória e a fornalha estava excessivamente acesa, os homens que nela arremessaram Sedraque, Mesaque e Abdênago foram consumidos pelas chamas. 23 Quanto aos três homens, Sedraque, Mesaque e Abdênago, caíram amarrados no meio da fornalha acesa.
Cântico de Azarias na fornalha — 24 Mas começaram a andar no meio das chamas, louvando a Elohim e bendizendo O Eterno. 25 Azarias, em pé, orava assim, abrindo a boca em meio ao fogo, nestes termos: 26 Bendito és Tu, Senhor, Elohim dos nossos pais, Tu és digno de louvor e o Teu nome é glorificado eternamente. 27 Porque És justo em tudo o que nos fizeste e todas as Tuas obras são verdadeiras, retos os Teus caminhos e verdade todos os teus julgamentos. 28 Tomaste decisões conforme a verdade em todas as coisas que fizeste cair sobre nós e sobre a cidade sagrada de nossos pais, Yerushalayim. Pois é segundo a verdade e o direito que nos fizeste sobrevir todas estas coisas, por causa dos nossos pecados. 29 Sim, nós pecamos, cometendo a iniqüidade ao afastar-nos de ti; sim, pecamos gravemente em tudo. Não obedecemos às Tuas mitzvot/mandamentos 30 nem os observamos, nem agimos segundo o que nos ordenavas para que tudo nos corresse bem. 31 Por isso, tudo o que nos fizeste sobrevir, tudo o que Tu mesmo nos fizeste, foi num julgamento verdadeiro que o fizeste. 32 Entregaste-nos às mãos de nossos inimigos, gente sem lei, os piores dos ímpios, e a um rei injusto, o mais malvado sobre toda a terra. 33 E agora, não podemos sequer abrir a boca: a vergonha e o opróbrio caíram sobre os Teus servos e os que Te adoram. 34 Oh, não nos entregues para sempre, por causa do Teu nome, não repudies a Tua aliança; 35 não retires de nós a Tua misericórdia por amor de Avraham, teu amigo, e de Yitz'chak, teu servo, e de Yisra'El, teu santo, 36 aos quais falaste, prometendo-lhes que a sua descendência seria tão numerosa como as estrelas do céu e como a areia do mar. 37 No entanto, oh Eterno, fomos reduzidos a bem pouco entre todos os povos, e encontramo-nos hoje humilhados em toda a terra por causa dos nossos pecados. 38 Não há mais, nestas circunstâncias, nem chefe, nem profeta, nem príncipe, nem holocausto, nem sacrifício, nem oblação, nem incenso, nem lugar onde oferecermos as primícias diante de Ti para encontrarmos misericórdia. 39 Contudo, com a alma quebrantada e o espírito humilhado possamos encontrar acolhida, tal como se viéssemos com holocaustos de carneiros e de touros, e com miríadas de cordeiros gordos. 40 Tal se torne o nosso sacrifício hoje diante de Ti, e se complete junto a ti, porque não serão confundidos os que confiam em Ti. 41 E agora, é de todo o coração que vamos seguir-Te, vamos temer-Te e procurar a Tua face. 42 Não nos cubras de confusão, mas age conosco segundo a Tua benignidade e segundo a abundância da Tua misericórdia. 43 Livra-nos segundo as Tuas maravilhas e dá glória ao Teu nome, oh Elohim! 44 Sejam, ao contrário, confundidos os que demonstram maldade contra os teus servos; que eles sejam recobertos de vergonha, privados de todo o seu poder, e quebrantada a sua força. 45 Saibam, assim, que Tu, Senhor, és o Único Elohim, glorioso sobre toda a terra. 46 Entretanto, os servos do rei que os haviam atirado na fornalha, não cessavam de alimentar o fogo com nafta, pez, estopa e lenha miúda. 47 Tanto assim que a chama projetou-se para o alto até quarenta e nove côvados acima da fornalha 48 e, estendendo-se, atingiu a quantos dentre os caldeus se encontravam perto da fornalha. 49 Quanto a Azarias e seus companheiros, o malach/mensageiro do Eterno desceu para junto deles na fornalha e expeliu para fora a chama do fogo, 50 fazendo soprar, no meio da fornalha, um como vento de orvalho refrescante. E assim o fogo não os tocou de modo algum, nem os afligiu nem lhes causou qualquer incômodo.
Cântico dos três jovens — 51 Então todos os três, a uma só voz, puseram-se a cantar, glorificar e bendizer ao Eterno no meio da fornalha, dizendo: 52 "Bendito és Tu Senhor, Elohim de nossos pais, digno de louvor e sumamente glorificado para sempre. Bendito é O Nome Santo de tua glória, digno de sumo louvor e sumamente glorificado para sempre. 53Bendito és Tu no templo de Tua glória santa, digno de sumo louvor e sumamente glorificado para sempre. 54 Bendito és Tu sobre o trono do Teu reino, digno de rupremo louvor e sumamente glorificado para sempre. 55 Bendito és Tu, que sondas os abismos, sentado sobre os querubins digno de louvor e sumamente glorificado para sempre. 56 Bendito és Tu no firmamento do céu, digno de louvor e glorificado para sempre. 57 Vós, todas as obras do Senhor, bendizei ao Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 58 Anjos do Eterno, bendizei o Senhor: louvai-O e exaltai-O para sempre! 59 Oh céus, bendizei o Senhor: louvai-O e exaltai-O para sempre! 60 E vós, todas as águas acima dos céus, bendizei ao Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 61 Vós, todas as potências, bendizei o Senhor: louvai-O e exaltai-O para sempre! 62 Sol e lua, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 63 Estrelas do céu, bendizei ao Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 64 Todas as chuvas e orvalhos, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 65 Todos os ventos, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 66 Fogo e calor, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 67 Frio e ardor, bendizei bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 68 Orvalhos e aguaceiros, bendizei bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 69 Gelo e frio, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 70 Geadas e neves, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 71 Noites e dias, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 72 Luz e trevas, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 73 Relâmpagos e nuvens, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O ara sempre! 74 Que a terra bendiga O Eterno: que ela O louve e O exalte para sempre! 75 E vós, montanhas e colinas, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 76 Tudo o que germina sobre a terra, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 77 Vós, oh fontes, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 78 Mares e rios, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 79 Grandes peixes e tudo o que se move nas águas, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! Vós, todos os pássaros do céu, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! Todos os animais, selvagens e domésticos, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 82 E vós, ó filhos dos homens, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 83 Tu, Israel, bendizei O Eterno: louva-O e exalta-O para sempre! 84 Vós, sacerdotes, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 85 Vós, servos do Senhor, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 86 Vós, espíritos e almas dos justos, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 87  Vós, santos e humildes de coração, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! 88 E vós, Ananias, Azarias e Misael, bendizei O Eterno: louvai-O e exaltai-O para sempre! Porque Ele nos livrou do Abismo e nos salvou da mão da morte, libertando-nos da chama da fornalha ardente e retirando-nos do meio do fogo. 89 Dai graças ao Eterno, porque Ele é bom, porque a sua misericórdia é para sempre. 90 E vós, todos os que adorais ao Eterno, Elohim dos elohim, bendizei-o: louvai-O  e dai-Lhe graças, porque a Sua misericórdia é para sempre".
Reconhecimento do milagre — 24 Então o rei Nabucodonosor ficou perturbado e levantou-se às pressas. E, tomando a palavra, perguntou a seus conselheiros: "Não foram três os homens que atiramos ao meio do fogo, amarrados?" Em resposta, disseram ao rei: "Certamente, ó rei". 25 E ele prosseguiu: "Mas estou vendo quatro homens sem amarras, os quais passeiam no meio do fogo sem sofrerem dano algum, e o quarto deles tem o aspecto de um filho dos deuses/elohim". 26 A seguir, Nabucodonosor aproximou-se da abertura da fornalha acesa. E, tomando a palavra, clamou: "Sadraque, Mesaque e Abdênago, servos do Elohim Altíssimo, saí para fora e vinde!" Então Sadraque, Mesaque e Abdênago saíram do meio do fogo. 27 Os sátrapas, os magistrados, os governadores e os conselheiros do rei acorreram logo para ver esses homens: o fogo não tinha exercido poder algum sobre seus corpos, os cabelos de sua cabeça não tinham sido consumidos, seus mantos não tinham sido alterados, e nenhum odor de fogo se apegara a eles. 28 Exclamou então Nabucodonosor: "Bendito seja O Elohim de Sadraque, Mesaque e Abdênago, que enviou o Seu malach e libertou os Seus servos, os quais, confiando nele, desobedeceram à ordem do rei e preferiram expor os seus corpos a servir ou a adorar qualquer outro elohim senão O seu Elohim. 29 Eis, pois, o decreto que eu promulgo: Todo aquele que falar com irreverência contra O Elohim de Sadraque, Mesaque e Abdênago, pertença ele a que povo, nação ou língua pertencer, seja feito em pedaços e sua casa seja reduzida a escombros, pois não há outro elohim  que possa libertar dessa maneira!" 30Então o rei constituiu em novas dignidades a Sadraque, Mesaque na província de Babilônia.
O sonho premonitório e a loucura de Nabucodonosor
31O rei Nabucodonosor, a todos os povos, nações e línguas que habitam sobre toda a terra: Que vossa paz se multiplique! 32 Pareceu-me bem tornar-vos conhecidos os sinais e maravilhas que fez, em meu favor, O Elohim Altíssimo: 33 Quão grandiosos os Seus sinais! Quão portentosas as Suas maravilhas! Seu reino é um Reino Eterno e Seu domínio vai de geração em geração!

SHIRIM U'CHOCHMAH
Kohelet/Eclesiastes 5:
7 Se numa província vês o pobre oprimido e o direito e a justiça violados, não fiques admirado: quem está no alto tem outro mais alto que o vigia, e sobre ambos há outros mais altos ainda. 8 O proveito da terra pertence a todos e até mesmo um rei é tributário da agricultura.
O dinheiro — 9 Quem ama o dinheiro, nunca está farto de dinheiro, quem ama a abundância, nunca tem vantagem. Isso também é vaidade. 10 Onde aumentam os bens, aumentam aqueles que os devoram; que vantagem tem o dono, a não ser ficar olhando? 11 Coma muito ou coma pouco, o sono do operário é gostoso; mas o rico saciado nem consegue adormecer. 12 Há um mal doloroso que vejo debaixo do sol: riquezas que o dono acumula para a sua própria desgraça. 13 Num mau negócio ele perde as riquezas e, se gerou um filho, este fica de mãos vazias. 14 Como saiu do ventre materno, assim voltará, nu como veio: nada retirou do seu trabalho que possa levar nas mãos. 15 Isso também é um mal doloroso: ele se vai embora assim como veio; e que proveito tirou de tanto trabalho? — Apenas vento. 16 Consome seus dias todos nas trevas, no luto, em muitos desgostos, doença e irritação. 17 Eis o que observo: a felicidade que convém ao homem é comer e beber, encontrando a felicidade em todo trabalho que faz debaixo do sol, durante os dias da vida que O Eterno lhe concede. Pois esta é a sua porção. 18 Todo homem a quem O Eterno concede riquezas e recursos que o tornam capaz de sustentar-se, de receber a sua porção e desfrutar do seu trabalho, isto é um dom do Eterno. 19 Ele não se lembrará muito dos dias que viveu, pois O Eterno enche seu coração de alegria. 


Shir Mizmor
Tehilim/Salmos 115:

  1. Não a nós, ó Eterno, não a nós, mas a Teu Nome, concede glória, por Tua benevolência e por Tua fidelidade.
  2. Por que diriam as nações: “Onde está o seu Elohim?”
  3. Nos céus está nosso Elohim, e tudo que lhe aprouver Ele fez.
  4. Quanto a seus ídolos, são apenas ouro e prata, obras de mãos humanas.
  5. Eles têm boca, mas não conseguem articular sequer um som; olhos têm, mas não conseguem enxergar;
  6. têm ouvidos que não escutam, narinas que são incapazes de sentir cheiros,
  7. mãos que não apalpam, pés que não se movem, e som algum pode ser emitido por suas gargantas.
  8. Que passem a ser como eles os que os constroem e todos que os veneram e neles confiam.
  9. Israel, porém, confia somente no Eterno, que é seu Amparo e seu Escudo.
  10. Ó Casa de Aharon, confia no Eterno, que é teu Amparo e teu Escudo.
  11. Ó vós, que temeis o Eterno, Nele depositai vossa confiança, pois Ele é vosso Amparo e vosso Escudo.
  12. De nós se lembra o Eterno e nos concede Sua benção. Ele abençoará a Casa de Israel;      a Casa de Aarão há de abençoar;
  13. abençoará aos que temem o Eterno, tanto aos pequenos como aos grandes.
  14. Que o Eterno vos multiplique, a vós e a vossos descendentes.
  15. Que sejais benditos pelo Eterno, que fez os céus e a terra.
  16. Do Eterno são os céus, mas aos homens Ele entregou a terra.
  17. Nem os mortos nem os que descem à região do silêncio podem louvar ao Eterno.
  18. Mas nós bendiremos ao Eterno, desde agora e para todo o sempre. Louvado seja o Eterno! Halleluyiah!

Nenhum comentário:

Postar um comentário