quinta-feira, 6 de junho de 2013

CICLO TRIENAL - SEDRAH 113 (Semana de 02 a 08 de junho/2013)

(Shabat Shalom)

Torah: Bamidbar/Números 22:2 - 23:1
Tema(s): Balak e Bil'am.
Haftarah: Sh'muel Alef/1ºSamuel 3; Yirmiyahu/Jeremias 28; Yehesk'el/Ezequiel 13; 34
Tema(s): Chamado de Sh'muel; Fim do Jugo de Bavel; Falsos Profetas; Contra os Pastores de Yisra'El.
Chochmah HaSh’lichim: Kohelet / Eclesiastes 4:12-17 
Tema: Importância da União e da Retidão.
Shir Mizmor: Tehilim/Salmos 113 
Tema: Louvor ao Eterno.
TORAH
Bamidbar/Números 22:
O rei de Moav recorre a Bil'am/Balaão — 2Balak, filho de Tzipor/Sefor, viu tudo o que Israel fizera ao Emoreu/Amorreu; 3Moab tomou-se de pânico diante deste povo, pois era muito numeroso. Moab teve pavor dos filhos de Israel; 4ele disse aos anciãos de Mid'am/Madiã: "Eis esta multidão, que devora tudo ao redor de nós, como um boi devora a erva do campo." Balak, filho de Tzipor, era rei de Moab naquele tempo. 5Mandou mensageiros para chamar Bil'am, filho de Beor, em Petor, que está junto ao Rio (Eufrates), na terra dos filhos de Amaú. Disse-lhes: "Eis que o povo que saiu do Mitzrayim/Egito cobriu toda a terra; estabeleceu-se diante de mim. 6Vem, pois, eu te suplico, e amaldiçoa por mim este povo, pois é mais poderoso do que eu. Assim poderemos derrotá-lo e expulsá-lo da terra. Pois eu o sei: aquele que tu abençoas é abençoado, aquele a quem tu amaldiçoas é maldito." 7Os anciãos de Moab e os anciãos de Madiã partiram, levando nas mãos o preço do augúrio. Chegaram a Bil'am e lhe transmitiram as palavras de Balak. 8E ele lhes disse: "Ficai aqui esta noite e eu vos responderei segundo o que O Eterno me disser." E os príncipes de Moab permaneceram com Bil'am. 9Veio Elohim a Bil'am e lhe disse: "Quem são esses homens que estão contigo?" 10Bil'am respondeu a Elohim: "Balak, filho de Tzefor, rei de Moab, mandou-me dizer isto: 11Eis que o povo que saiu de Mitzrayim cobriu toda a terra. Vem, pois, amaldiçoá-lo por mim; assim poderei combatê-lo, expulsá-lo." 12Elohim disse a Bil'am: "Não irás com eles. Não amaldiçoarás este povo, pois é bendito." 13Levantou-se Bil'am, de manhã, e disse aos príncipes enviados por Balak: "Tornai à vossa terra, pois O Eterno recusa deixar-me ir convosco." 14Levantaram-se os príncipes de Moab e voltaram para Balak e lhe disseram: "Bil'am recusou-se a vir conosco." 15Balak enviou de novo outros príncipes, em maior número e mais importantes do que os primeiros. 16Foram ter com Bil'am e lhe disseram: "Assim falou Balak, filho de Tzefor: Eu te suplico, não recuses vir ter comigo. 17Pois te concederei grandes honrarias, e tudo o que me disseres eu farei. Portanto, vem e amaldiçoa por mim este povo." 18Bil'am deu aos enviados de Balak esta resposta: "Ainda que Balak me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia transgredir a ordem do Eterno, meu Elohim, em coisa alguma, pequena ou grande. 19Agora, ficai aqui esta noite, vós também, e ficarei sabendo o que O Eterno poderá me dizer ainda." 20Veio Elohim a Bil'am durante a noite e lhe disse: "Não vieram essas pessoas para te chamar? Levanta-te e vai com eles. Contudo, não farás senão aquilo que eu te disser." 21Levantou-se Bil'am, de manhã, selou a sua jumenta e partiu com os príncipes de Moab.
A jumenta de Bil'am — 22A sua partida excitou a ira do Eterno e o Anjo do Eterno se colocou na estrada, para barrar-lhe a passagem. Ele montava a sua jumenta, e os seus dois servos o acompanhavam. 23 A jumenta viu o Anjo do Eterno parado na estrada, com a sua espada desembainhada na mão; desviou-se da estrada, em direção ao campo. Bil'am, contudo, espancou a jumenta para fazê-la voltar à estrada. 24O Anjo do Eterno se pôs então em um caminho estreito, no meio das vinhas, com um muro à direita e outro muro à esquerda. 25A jumenta viu o Anjo do Eterno e encostou-se ao muro, apertando neste o pé de Bil'am. Ele tornou a espanca-la outra vez. 26O Anjo do Eterno mudou de lugar e se colocou em uma passagem apertada, onde não havia espaço para passar nem à direita nem à esquerda. 27Quando a jumenta viu o Anjo do Eterno, caiu debaixo de Bil'am. Bil'am ficou enfurecido e espancou a jumenta a golpes de bordão. 28Então O Eterno abriu a boca da jumenta e ela disse a Bil'am: "Que te fiz eu, para me teres espancado já por três vezes?" 29Bil'am respondeu à jumenta: "É porque zombaste de mim! Se eu tivesse uma espada na mão já te haveria matado." 30Disse a jumenta a Bil'am: "Não sou eu a tua jumenta, que te serve de montaria toda a vida e até o dia de hoje? Tenho o costume de agir assim contigo?" Respondeu ele: "Não." 31Então O Eterno abriu os olhos de Bil'am. E viu o Anjo do Eterno parado na estrada, tendo a sua espada desembainhada na mão. Inclinou- se e se prostrou com a face em terra. 32Disse-lhe o Anjo do Eterno: "Por que espancaste assim a tua jumenta, já por três vezes? Sou eu que vim barrar-te a passagem; pois com a minha presença no caminho não podes prosseguir. 33A jumenta me viu e, devido à minha presença, ela se desviou por três vezes. Foi bom para ti que ela se desviasse, pois senão já te haveria matado. A ela, contudo, teria deixado com vida." 34Bil'am respondeu ao Anjo do Eterno: "Pequei. Não sabia que tu estavas parado diante de mim, no caminho. Agora, se isto não te agrada, voltarei." 35O Anjo do Eterno respondeu a Bil'am: 'Vai com esses homens. Somente não digas coisa alguma além daquilo que eu te mandar dizer." Bil'am foi com os príncipes enviados por Balak.
Bil'am e Balak — 36Balak soube que Bil'am vinha e saiu ao seu encontro, na direção de Ar Moab, na fronteira do Arnon, na extremidade do território. 37Balak disse a Bil'am: "Porventura não enviei mensageiros para chamar-te? Por que não vieste a mim? Na verdade, não estou eu em condições de honrar- te?" 38Bil'am respondeu a Balak: "Eis-me aqui, junto de ti. Poderei eu agora dizer alguma coisa? A palavra que Elohim puser na minha boca, eu a direi." 39Bil'am partiu com Balak. E chegaram a Kiriat Chutsot/Cariat-Husot. 40Balak imolou animais grandes e pequenos e ofereceu parte deles a Bil'am e aos príncipes que o acompanhavam.41Depois, ao amanhecer, Balak tomou Bil'am e o fez subir a Bamot-Baal, de onde pôde ver a extremidade do acampamento.


Bamidbar/Números 23:
1Bil'am disse a Balak: "Edifica-me aqui sete altares e prepara-me sete novilhos e sete carneiros." 2Balak fez conforme lhe havia dito Bil'am e ofereceu em holocausto um novilho e um carneiro sobre cada altar. 3Então Bil'am disse a Balak: "Permanece de pé junto dos teus holocaustos, enquanto eu me retiro. Talvez O Eterno me permita encontrá-lo. Aquilo que me fizer ver, revelar-te-ei." E foi-se para uma colina desnuda. 

HAFTARAH
Sh'muel Alef/1 Samuel 3:
Elohim chama a Sh'muel — 1O jovem Sh'muel servia, pois, ao Eterno na presença de Eli; naquele tempo, raramente O Eterno falava, e as visões não eram freqüentes. 2Ora, um dia, Eli já estava deitado no seu quarto — os seus olhos começaram a enfraquecer e não podia mais ver —, 3a lâmpada de Elohim não se tinha ainda apagado no Templo do Eterno,  no lugar onde se encontrava a Arca de Elohim e Sh'muel estava deitado. 4O Eterno chamou: "Sh'muel! Sh'muel!" Ele respondeu: "Eis-me aqui!", 5e correu para onde estava Eli, e disse: "Eis-me aqui, porque me chamaste". — "Não te chamei", disse Eli; "volta a deitar-te". Ele foi deitar-se. 6O Eterno chamou novamente: "Sh'muel! Sh'muel!" Levantou-se e foi ter com Eli, dizendo: "Tu me chamaste: aqui estou". — "Eu não te chamei, filho meu", disse Eli; "vai deitar-te". 7Sh'muel não conhecia ainda ao Eterno, e a palavra do Eterno não lhe tinha sido ainda revelada. 8O Eterno voltou a chamar Sh'muel pela terceira vez. Ele se levantou, aproximou-se de Eli e disse: "Aqui estou, porque me chamaste". Então Eli compreendeu que era O Eterno que chamava o menino 9e disse a Sh'muel: "Vai deitar-te e, se te chamar de novo, dirás: 'Fala, Eterno, que o teu servo ouve' ", e Sh'muel foi se deitar no seu lugar. 10Veio O Eterno e ficou ali presente. Chamou, como das outras vezes: "Sh'muel! Sh'muel!", e Sh'muel respondeu: "Fala, que teu servo ouve", 11O Eterno disse a Sh'muel: "Vou fazer uma coisa em Israel que fará tinir ambos os ouvidos de todos os que a ouvirem. 12Naquele dia, farei cumprir-se contra Eli tudo o que disse acerca da sua casa, do começo até o fim. 13Tu lhe anunciarás que eu condeno a sua casa para sempre, porque ele sabia que os seus filhos ofendiam a Elohim e não os repreendeu. 14É por isso — eu o juro à casa de Eli — que nem sacrifício nem oferenda jamais expiarão a iniqüidade da casa de Eli." 15Sh'muel repousou até de manhã, e então abriu as portas da casa do Eterno. Sh'muel temia contar a visão a Eli, 16mas Eli o chamou e disse: "Sh'muel, meu filho!" E ele respondeu: "Eis-me aqui!" 17Ele perguntou: "Qual foi a palavra que Ele te disse? Não me ocultes nada! Que Elohim te faça o mesmo mal e lhe some mais outro tanto, se me esconderes uma só palavra de tudo o que Ele te disse". 18Então Sh'muel lhe contou tudo, sem lhe ocultar coisa alguma. Eli disse: "Ele é O Eterno. Faça Ele o que Lhe parecer bom!" 19Sh'muel crescia. O Eterno estava com ele, e nenhuma das palavras que lhe dissera deixou cair em terra. 20Todo o Israel soube, desde Dan/Dan até Beer-Sheva/Bersabéia, que Sh'muel estava confirmado como profeta do Eterno. 21O Eterno continuou a manifestar-Se em Shiloh/Silo, porque em Shiloh Ele Se revelava a Sh'muel. 

Yirmiyahu/Jeremias 28:
A altercação com o profeta Hananiyah/Hananias — 1Neste mesmo ano, no começo do reinado de Tsidkiyahu/Sedecias, rei de Yehudah/Judá, no quarto ano, no quinto mês, Hananiah, ben/filho de Azur, o profeta natural de Guivon/Gabaon, disse assim a Yirmiyahu na Casa do Eterno, na presença dos sacerdotes e de todo o povo: 2"Assim disse O Eterno dos Exércitos, Elohim de Israel. Eu quebrei o jugo do rei de Bavel/Babilônia! 3Ainda dois anos, e eu farei retornar a este lugar todos os objetos da Casa do Eterno que Nabucodonosor, rei da Babilônia, carregou daqui e levou para a Babilônia. 4Também Yechoniyah/Jeconias, ben Yehoakim/ Joaquim, rei de Judá, e todos os deportados de Judá que foram para a Babilônia eu farei retornar a este lugar — oráculo do Eterno (diz O Eterno) — porque eu quebrarei o jugo do rei da Babilônia!" 5E o profeta Yirmiyahu disse ao profeta Hananiah diante dos sacerdotes e de todo o povo que estavam na Casa do Eterno. 6O profeta Yirmiyahu disse: "Amén! Que assim faça O Eterno! Que O Eterno realize as palavras que profetizaste, trazendo da Babilônia para este lugar os objetos da Casa do Eterno e todos os deportados. 7Contudo, escuta esta palavra que vou falar aos teus ouvidos e aos ouvidos de todo povo: 8Os profetas que existiram antes de mim e antes de ti, desde tempos imemoráveis, profetizaram a muitas terras e a grandes reinos, a guerra, a desgraça e a peste; 9o profeta que profetiza a paz, só quando se realizar a palavra do profeta é que será reconhecido como profeta que O Eterno realmente enviou! "h 10O profeta Hananiah tomou, então, os canzis (jugos) do pescoço do profeta Yirmiyahu e os quebrou. 11E disse Hananias diante de todo o povo: "Assim disse O Eterno. Desta maneira eu quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, dentro de dois anos, de sobre o pescoço de todas as nações". E o profeta Yirmiyahu foi-se embora. 12Mas aconteceu que depois que o profeta Hananiah quebrou os canzis do pescoço do profeta Yirmiyahu, a palavra do Eterno foi dirigida a Yirmiyahu: 13"Vai dizer a Hananiah: Assim disse O Eterno: Tu quebraste os canzis de madeira! Mas colocarás em lugar deles canzis de ferro! 14Porque assim disse O Eterno dos Exércitos, Elohim de Israel: eu colocarei um jugo de ferro no pescoço de todas estas nações, para servirem a Nabucodonosor, rei da Babilônia. (E o servirão e eu lhe entregarei até mesmo os animais do campo.)" 15E o profeta Yirmiyahu disse ao profeta Hananiah: "Escuta, Hananiay: O Eterno não te enviou e tu levas este povo a confiar na mentira. 16Por isso, assim disse O Eterno. Eis que eu vou retirar-te da face da terra: neste ano morrerás (porque anunciaste a revolta contra O Eterno.)" 17E o profeta Hananiah morreu neste mesmo ano, no sétimo mês. 

Yehesk'el/Ezequiel 13:
Contra os falsos profetas — 1A palavra do Eterno me foi dirigida nestes termos: 2Filho do homem, profetiza contra os profetas de Israel; profetiza e dize aos que profetizam segundo o seu próprio coração: Ouvi a palavra do Eterno: 3Assim fala O Eterno Elohim: Ai dos profetas insensatos, que andam segundo o seu próprio espírito e nada vêem. 4Os teus profetas, ó Israel, são como raposas no meio de ruínas. 5Não subistes às brechas, não construístes uma muralha, a fim de que a nação de Israel pudesse resistir na guerra, no dia do Eterno. 6Têm visões vãs e um presságio mentiroso aqueles que dizem: "Oráculo de Iahweh/Assim diz O Eterno", quando O Eterno não os enviou e, no entanto, esperam que a sua palavra se confirme! 7Não é assim que tendes visões vãs e fazeis presságios mentirosos, ao dizerdes: "Assim diz O Eterno", apesar de Eu não vos ter falado? 8Pois bem, assim diz O Eterno Elohim: Por causa das vossas palavras vãs e das vossas visões mentirosas, certamente estou contra vós, oráculo do Eterno Elohim. 9Estenderei a Minha mão contra os profetas que têm visões vãs e presságios mentirosos: Eles não serão admitidos no conselho do Meu povo, nem serão inscritos no livro da casa de Israel, nem voltarão à terra de Israel, e sabereis que Eu Sou O Eterno Elohim. 10Com efeito, eles desencaminham o Meu povo, ao dizerem: "Paz" e não há paz. Enquanto ele constrói uma parede, ei-los a rebocá-la com argamassa. 11Dize aos que rebocam com argamassa: Basta que haja uma chuva torrencial, que caia uma chuva de pedra, que se desencadeie um vento tempestuoso, 12e o muro irá ao chão! Porventura não vos dirão: "Onde está a argamassa com que rebocastes?" 13Pois bem, assim diz O Eterno Elohim: Eu farei desencadear um vento tempestuoso; uma chuva torrencial sobrevirá em virtude da minha ira, e uma chuva de pedra em minha fúria devastadora. 14Arrasarei o muro que rebocastes de argamassa e o porei à terra. Os seus alicerces ficarão à vista. Ele cairá e vós perecereis debaixo dele e sabereis que Eu Sou O Eterno. 15Quando eu tiver saciado a Minha ira no muro e nos que o rebocaram de argamassa, então vos direi: "O muro já não existe, nem aqueles que o rebocaram", 16isto é, os profetas de Israel que profetizam a respeito de Yerushalayim, tendo visões de paz sobre ela, quando não há paz, oráculo do Eterno Elohim.
As falsas profetisas — 17Agora, filho do homem, volta-te contra as filhas do teu povo que profetizam segundo o seu próprio coração. Profetiza contra elas, 18dizendo: Assim diz O Eterno Elohim: Ai das que cosem faixas em todos os punhos e fabricam véus para a cabeça de pessoas de toda estatura, a fim de seduzir almas! Seduzis as almas do meu povo, mas não conseguis assegurar a vida das vossas próprias almas? 19Vós me profanais perante o meu povo por um punhado de cevada, por alguns pedaços de pão, entregando à morte almas que não devem morrer e poupando a vida aos que não devem viver, com as vossas mentiras dirigidas ao meu povo que dá ouvidos à mentira. 20Pois bem, assim diz O Eterno Elohim: Eis que vou tomar as faixas com que seduzis as almas como pássaros e arrancá-las-ei de sobre os vossos braços e soltarei as almas que seduzistes como pássaros. 21Rasgarei os vossos véus e libertarei o meu povo de vossas mãos para que não torne a ser uma presa nas vossas mãos e sabereis que Eu Sou O Eterno. 22Por terdes intimidado o coração do justo com mentiras, quando eu não o afligi, e por terdes fortalecido as mãos do ímpio, para que ele não se tivesse voltado do seu mau caminho a fim de buscar a vida, 23por tudo isso não continuareis a ter visões vãs, nem a fazer presságios. Antes, libertarei o Meu povo das vossas mãos e sabereis que Eu Sou O Eterno. 

Yehesk'el/Ezequiel 34:
Os pastores de Israel — 1A palavra do Eterno me foi dirigida nestes termos: 2Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel, profetiza e dize-lhes: Pastores, assim diz O Eterno Elohim: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não devem os pastores apascentar o seu rebanho? 3Vós vos alimentais com leite, vos vestis de lã e sacrificais as ovelhas mais gordas, mas não apascentais o rebanho! 4Não restaurastes o vigor das ovelhas abatidas, não curastes a que está doente, não tratastes a ferida da que sofreu fratura, não reconduzistes a desgarrada, não buscastes a perdida, mas dominastes sobre elas com dureza e violência. 5Por falta de pastor, elas dispersaram-se e acabaram por servir de presa para todos os animais do campo; e se dispersaram. 6O Meu rebanho dispersou-se por todos os montes, por todos os outeiros elevados e por toda a superfície da terra dispersou-se o Meu rebanho. Não há quem o procure ou quem vá em sua busca. 7Portanto, pastores, ouvi a palavra do Eterno. 8Por Minha vida, oráculo do Eterno Elohim, Eu vos asseguro: Visto que o Meu rebanho é objeto de saque e serviu de presa a todos os animais do campo, por não terem pastor, pois que os Meus pastores não se preocupam com o Meu rebanho, porque eles apascentam a si mesmos, mas não apascentam o Meu rebanho, 9por isso, ó pastores, ouvi a palavra do Eterno. 10Assim diz O Eterno Elohim: Eis-me contra os pastores. Das suas mãos Requererei prestação de contas a respeito do rebanho e os impedirei de apascentar Meu rebanho. Deste modo os pastores não tornarão a apascentar-se a si mesmos. Livrarei Minhas ovelhas da sua boca e não continuarão a servir-lhes de presa. 11Com efeito, assim diz OEterno Elohim: Certamente Eu mesmo cuidarei do Meu rebanho e o procurarei. 12Como um pastor cuida do seu rebanho, quando está no meio das suas ovelhas dispersas, assim Cuidarei das Minhas ovelhas e as recolherei de todos os lugares por onde se dispersaram em um dia de nuvem e de escuridão. 13E as recolherei dentre os povos, reuni-las-ei dentre as nações estrangeiras e reconduzi-las-ei para o seu solo, apascentando-as sobre os montes de Israel, nas margens irrigadas dos seus ribeiros e em todas as regiões habitáveis da terra. 14Apascenta-las-ei em um bom pasto, sobre os altos montes de Israel terão as suas pastagens. Aí repousarão em um bom pasto e encontrarão forragem rica sobre os montes de Israel. 15Eu mesmo apascentarei o meu rebanho, Eu mesmo lhe darei repouso, oráculo do Eterno Elohim. 16Buscarei a ovelha que estiver perdida, reconduzirei a que estiver desgarrada, enfaixarei a que estiver fraturada e restaurarei a que estiver abatida. Quanto à gorda e vigorosa, guarda-la-ei e apascenta-la-ei de forma justa. 17Quanto a vós, minhas ovelhas, assim diz O Eterno Elohim: Eis que Vou julgar entre ovelha e ovelha, entre carneiros e bodes. 18Porventura vos parece pouco o pastardes no melhor pasto, mas ainda pisais o resto do pasto com vossos pés, ou beberdes a água límpida, mas ainda turvais o resto com vossos pés? 19E as minhas ovelhas hão de pastar o pisado pelos vossos pés e beber o turvado pelos vossos pés? 20Pois bem, assim diz O Eterno Elohim: Eis que vou julgar entre a ovelha gorda e a ovelha magra. 21Visto que empurrastes com os ombros e com os lados, escorneastes as ovelhas abatidas, a ponto de afugenta-las para longe, 22eu mesmo vou trazer salvação ao meu rebanho, de modo que não mais sejam saqueadas. Sim, eu mesmo julgarei entre ovelha e ovelha. 23Suscitarei para elas um pastor que as apascentará, a saber, o meu servo David: ele as apascentará, ele lhes servirá de pastor. 24E Eu, O Eterno, serei o seu Elohim e meu servo David será príncipe entre elas. Eu, O Eterno, o disse. 25Concluirei com elas uma aliança de paz e extirparei da terra as feras, de modo que habitem no deserto em segurança e durmam nos seus bosques. 26Distribuí-las-ei nos arredores do meu outeiro e trarei chuva no tempo certo, uma chuva abençoada. 27A árvore do campo dará o seu fruto, a terra produzirá a sua safra, e elas estarão seguras em sua terra e saberão que Eu Sou O Eterno, quando eu quebrar as varas do jugo e as libertar da mão dos que as sujeitavam. 28Elas não voltarão a servir de presa às nações e as feras não as devorarão. Elas habitarão tranqüilas, sem que ninguém as amedronte. 29Proporcionarei a elas uma lavoura farta, de modo que não voltem a ser colhidas pela fome na terra, nem voltarão a sofrer a afronta das nações. 30Então saberão que Eu, O Eterno, estou com elas, e que elas constituem o Meu povo, a Casa de Israel, oráculo do Eterno Elohim. 31E vós, minhas ovelhas, vós sois o rebanho humano do meu pasto e Eu Sou o vosso Elohim, oráculo do Eterno Elohim. 


SHIRIM U'CHOCHMAH
Kohelet/Eclesiastes 4:
12Alguém sozinho é derrotado, dois conseguem resistir, e a corda tripla não se rompe facilmente. 13Mais vale um jovem pobre e sábio do que um rei velho e insensato que não aceita mais conselho. 14Mesmo que ele tenha saído da prisão para reinar e mesmo que tenha nascido mendigo no reino, 15vejo todos os viventes que se movem debaixo do sol ficarem com o jovem que sucedeu ao outro, 16e ele permanece frente a uma multidão sem fim. Porém aqueles que vêm depois não se alegrarão com ele, porque isso também é vaidade e procura do vento. 17Cuida de teus passos quando vais à Casa do Eterno: aproximar-se para ouvir vale mais que o sacrifício oferecido pelos insensatos, mas eles não sabem que fazem o mal. 


SHIR MIZMOR
Tehilim/Salmos 113:
Haleluiah! Louvado seja o Eterno! Louvai Seu Nome, ó servos do Eterno! Seja bendito Seu Nome, desde agora e para todo o sempre. Do nascimento do sol a seu ocaso, seja o Nome do Eterno louvado. Muito acima de todas as nações está o Eterno, e acima dos céus Sua glória. Quem é como o Eterno, nosso Elohim, que habita nas alturas e vê o que se passa nos céus e na terra? Do pó Ele levanta o pobre, e do monturo, o indigente, para faze-los sentar com os nobres, com os exaltados nobres de Seu povo. Somente Ele pode transformar uma mulher estéril em alegre mãe de vários filhos. Louvado seja o Eterno! Haleluiah!
Bom estudo e Shabat Shalom!


Nenhum comentário:

Postar um comentário